• Literatura,  Secções

    Camões, o tempo não passa por ti

    Fotos de Márcia Lessa Durante o período em que Portugal esteve sob o domínio espanhol, Camões relembrava o sentimento nacional. Os republicanos carregaram de preto a estátua erguida ao poeta em Lisboa para evidenciar o luto do país perante a resposta da monarquia portuguesa ao ultimato Inglês. Na ditadura, a sua figura era usada para exacerbar o nacionalismo. Em democracia,…

  • Literatura,  Secções

    Ser poetiza é ser mais alta

    Desenhador de Palavras sobre Florbela Espanca “Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! Escrevia versos. Diziam-na louca. Viveu pouco, mas intensamente. Nasceu no dia 8 de dezembro de 1894, em Vila Viçosa, com…

  • Literatura,  Secções

    Causas de Uma Decadência

    Antero Tarquínio de Quental nasceu na cidade de Ponta Delgada, capital da ilha de S. Miguel, nos Açores, a 18 de abril de 1842. A sua infância foi marcada pela morte de três irmãos e pela depressão da mãe, que via como uma Virgem misericordiosa, mas por quem nutre um sentimento de piedade. Começou cedo a instruir-se nos mestres escritores…

  • Literatura,  Secções

    Será que o Amor É mesmo Outra Coisa?

    Margarida Rebelo Pinto nasceu em Lisboa em 1965. Formou-se em Línguas e Literaturas Modernas na Universidade de Lisboa e desde cedo colaborou em vários órgãos de comunicação social: trabalhou como copy-writer e escreveu guiões para cinema e televisão.
O seu primeiro livro, Sei lá, publicado em 1999, foi um dos maiores sucessos de vendas em Portugal, atingindo números de vendas pouco usuais para o…

  • Literatura,  Secções

    Uma perna sem dona, dois detectives e quatro suspeitos

    Recensão crítica ao livro “Career of Evil” “Career of Evil” é o terceiro livro de Robert Galbraith, pseudónimo da conhecida autora J. K. Rowling. Continuando a seguir a vida e negócio de Cormoran Strike, esta obra traz-nos mais uma aventura do detective e da sua secretária – parceira? –, Robin Ellacott. Desta vez, chega-lhes uma perna amputada ao escritório, endereçada…

  • Literatura,  Secções

    Desenhador de Palavras: J. R. R. Tolkien

    Começo este Desenhador de Palavras por dizer que este será um texto muito difícil de escrever para mim, pela simples razão de não saber quando parar. Antes ainda de o começar a escrever, dei por mim a pegar na coleção (quase) completa e a folhear os diferentes livros, ler os índices e ver as ilustrações que os acompanham. John Ronald…

  • Literatura,  Secções

    De mão em mão

    Caí ao chão. Um ressalto, dois, e fiquei deitada no meio da multidão. Pisaram-me; um guincho, um riso; rebolei mais um pouco. Esperei. Silêncio. Passos soaram ao fundo, depois mais perto. Os passos pararam e eu fiquei na sombra. Pegaram-me. – Olha, alguém a deixou cair. Será que está boa? – voz feminina, mãos suaves… era definitivamente uma rapariga. Fez-me…

  • Literatura,  Secções

    As nossas escolhas literárias de 2015

    2015 está a terminar e, com o fim do ano, chegam as retrospetivas. A equipa de Literatura da ESCS MAGAZINE não quis ficar de fora e, por isso, hoje trazemos-te o livro preferido de cada um dos elementos desta secção. A escolha da Ana Rita Nunes é o livro “1984”, de George Orwell. Uma máquina do pensamento intemporal. “1984” foi,…

  • Literatura,  Secções

    Kokoschka, uma boneca “humana”

    Detentor de uma escrita inteligível e de uma maneira bastante perspicaz de narrar, Afonso Cruz capta, desde o início da obra, a curiosidade do leitor para saber mais sobre a boneca que “se tornou fundamental para o destino de várias pessoas”. Num momento inicial, a trama desenvolve-se à volta de duas personagens, Bonifaz Vogel, “um homem cheio de reticências cranianas”…

  • Literatura,  Secções

    De erva daninha a nobel da literatura

    Desenhador de Palavras: José Saramago “Saramago, s. m. nome vulgar de umas ervas daninhas, comestíveis, anuais ou bienais, da fam. das Crucíferas, frequentes nos terrenos cultivados em Portugal, e também chamadas rábano-silvestre, rabano-bastardo ou saramago-maior e cabresto.” (in 5º edição do Dicionário da Língua Portuguesa, Porto Editora) A alcunha do pai serviu de nome para o filho, porque o funcionário…