More Life, a Playlist by Drizzy Drake

Um ano após a estreia de Views, Drake apresenta-nos um novo álbum intitulado de More Life, tendo sido “Fake Love” o primeiro single do mesmo. O álbum lançado é visto como complexo, variado, agressivo e sincero. Este contempla-nos com uma organização musical divergente, fundindo Hip-Hop, R&B e Pop, no decorrer das tracks, como que uma coletânea de músicas pessoais feita por alguém com uma personalidade camaleónica. São e notar as diferentes inspirações encontradas no álbum, sendo que num momento estamos a ouvir hip-hop ao estilo de Drake, relembrando-nos dos seus grandes tempos de “Thank Me Later” e, no minuto seguinte, estamos a ouvir “Passionfruit” ou “Fake Love”, remetendo-nos para o “Views”, “Take Care” e para as suas músicas mais comerciais. De dancehall, grime, afrobeat, house, trap a rap, podemos deliciar-nos com uma batida catchy, envolvente e poderosa.

Nineteen85, produtor da Crew OVO, que Drake fundou, explicou numa entrevista, à revista Billboard, o porquê de More Life ser considerado uma playlist, com os mais diversificados gostos, num só conjunto de músicas. O mesmo explicou que Drake criou o álbum com o intuito de juntar diferentes personalidades e, em simultâneo, ter uma diversidade quanto às suas características.

A utilização de samples de outras músicas, tais como “If You Had My Love” de Jennifer Lopez na track “Teenage Fever” ou “All Night Long” de Lionel Richie na track “Blem”, enriquece de modo genial o álbum, mostrando mais uma vez a diversidade encontrada nesta “playlist”.

More Life conta com a colaboração de vários amigos de longa data de Drake, entre eles, Kanye West, Young Thug, Travis Scott, 2 Chainz, Quavo ou PartyNextDoor.

Vinte e duas músicas em oitenta e oito minutos de agressividade, envolvência, diversidade, clareza e uma vibe excelente.

Convido-vos a ouvir este álbum. Com a capacidade de se relacionar com os mais variados sentimentos que sintamos num determinado momento, é uma playlist que nos ficará querida a partir do primeiro instante, do primeiro beat, da primeira frase.

Atrevo-me a recomendar “No Long Talk”, “Nothing Into Something”, “Lose You”, “Can’t Have Everything”, “Since Way Back” e, a minha favorita, “Teenage Fever”.

Recordo-vos de que o álbum não está disponível no Youtube. Contudo, basta clicarem neste link para o ouvirem a partir do Spotify: https://open.spotify.com/album/7Ix0FS4f1lK42C3rix5rHg

Posted in Música and tagged , , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *