Sam Smith: A honestidade de The Thrill Of It All

Despertou a atenção do público com La La La, dueto com Naughty Boy em 2013. Um ano depois, lançou o seu álbum de estreia, In the Lonely Hour, que conquistou quatro Grammys. Sam Smith, uma das vozes mais únicas da música atual, lançou recentemente o seu segundo álbum, The Thrill Of It All.

Depois da digressão do seu primeiro álbum, o cantor voltou para a sua casa em Londres, onde se concentrou apenas em escrever música: “Eu tenho vivido numa espécie de bolha no último ano e meio. Voltei para a minha vida normal, sem me sentir famoso”, confessou numa entrevista para o programa Today (Austrália).

O britânico apresenta o novo álbum quase no seguimento do seu primeiro, tratando das mesmas temáticas: corações partidos, viver a sua homossexualidade e a sua perspetiva da fama, mas desta vez num tom mais maduro.

A voz é inconfundível e os seus falsetes são perfeitos, o que é notável no seu primeiro single: Too Good At Goodbyes. A letra complexa e emotiva, e com a qual os fãs se podem identificar, fez da canção um êxito que conquistou o topo das tabelas de vendas e streaming.

O segundo single promocional Pray transmite uma forma de autoconsciência, que critica a hipocrisia em todos nós. É acompanhado por um coro, que lhe confere um carácter mais religioso, assim como instrumentos de orquestra, que fluem harmoniosamente com o tom da música.

O grande destaque vai para HIM, uma canção original e íntima. Sam Smith dirige-se a Deus e contesta os princípios da igreja em relação à homossexualidade de forma crua e honesta. A música Burning é puramente melancólica – consiste numa melodia simples que conjugada com os vocais se torna mais emocionante.

Scars, a penúltima música do álbum, mostra um lado nunca visto do músico. Em forma de carta aos pais e acompanhada por uma guitarra acústica, esta revela um pouco da história dramática da sua família, sendo que os seus versos começam com “Dear mother” e “Dear father”.

Adorado pelo público, não só por ser um dos melhores cantores desta geração, mas também por “utilizar o coração na manga”, Sam Smith transparece através deste álbum com uma emoção inexplicável na sua voz, compreendida apenas por quem ouve a sua música. A longa espera por The Thrill Of It All valeu a pena, superou qualquer expectativa, quer seja pela conjugação das melodias intensas do artista ou pelas letras carregadas de significado.

APRIL 16: Guest singer Sam Smith performs on stage during the Disclosure show on day 2 of the 2016 Coachella Valley Music & Arts Festival Weekend 1 at the Empire Polo Club on April 16, 2016 in Indio, California. (Photo by Kevin Winter/Getty Images for Coachella)

O músico britânico já promoveu o álbum em variadíssimos programas, sendo necessário destacar a entrevista com James Corden no The Late Late Show. A digressão irá começar em março, em Sheffield (Inglaterra), e passará por Portugal a 18 de maio de 2018, no Altice Arena.

We’ve been so lost lately we forgot who we are

Posted in Música.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *