The Disaster Artist (2017)

Como contar a história de como foi feito aquele que é para muitos o pior filme de sempre? Foi a esta pergunta que James Franco decidiu tentar responder com o filme The Disaster Artist.

James Franco veste a pele de realizador, protagonista e produtor para nos mostrar o percurso de Tommy Wiseau desde que conheceu Greg Sestero até que realizou o sonho de fazer o seu próprio filme, The Room.

O filme começa em São Francisco, em 1998, ano no qual Tommy Wiseau (interpretado por James Franco) começa a desenvolver uma estranha amizade com Greg Sestero (protagonizado por outro membro do clã Franco, Dave Franco).

Os dois amigos conhecem-se numa aula de representação e Greg fica completamente fascinado com o talento do estranho e misterioso Tommy Wiseau. A partir desse momento vamos vendo como a amizade entre os dois se vai desenvolvendo, sempre assente em cenas cheias de humor, mas ao mesmo tempo estranhas e deveras constrangedoras, principalmente se tivermos em conta que o filme é baseado em factos verídicos.

Imbuídos do sonho de se tornarem grandes estrelas de cinema, Tommy e Greg decidem partir para Los Angeles, onde Tommy possui uma casa.  No entanto, a partir do momento em que a dupla de amigos chega a Hollywood, é fácil perceber que nenhum deles pertence àquele mundo.

Ao longo desse período, vamos vendo como Greg e Tommy, principalmente Tommy, vão assistindo às portas de Hollywood fecharem-se à sua volta à medida que vão demonstrando a sua tremenda falta de talento para representar.

O que ninguém pode dizer é que os irmãos Franco não têm talento, antes pelo contrário, ambos demonstram neste filme serem exatamente a antítese de Tommy Wiseau e Greg Sestero, tal é a qualidade das suas interpretações.

Apesar de tudo, os dois amigos não desistem do sonho, e um dia Tommy Wiseau decide que, uma vez que Hollywood não lhe dá uma oportunidade, está na hora de ser ele a criá-la. Escreve assim o guião do filme The Room, que decide protagonizar, realizar e produzir. A Greg Sestero cabe o papel de segundo protagonista num triângulo amoroso que tem tanto de banal como de mal concebido, mas o melhor mesmo é veres a obra prima de Tommy Wiseau The Room e criares a tua opinião.

Já quanto ao The Disaster Artist, vai assim mostrando a evolução da produção e ao mesmo tempo a deterioração do relacionamento entre Tommy e Greg.

Para além das já referidas boas interpretações dos irmãos Franco (James até conseguiu imitar o facto de Tommy Wiseau ter um olho mais fechado que o outro), entram ainda no filme, entre outros, Seth Rogen, Alison Brie e até Zac Effron, que, apesar do curto papel que possui, não deixa de o interpretar de forma dedicada e cómica.

The Disaster Artist é daqueles filmes que vale mesmo a pena ver, não só pelas boas interpretações dos seus protagonistas, mas também pelo facto de dar a conhecer como nasceu um dos piores filmes de sempre. No entanto, não vás à espera de te rires do princípio ao fim, o filme tem várias cenas cómicas, mas não é por isso que o podemos considerar uma comédia, sendo quase uma biografia do mais importante período da vida de Tommy Wiseau e Greg Sestero.

Ahhh, e quase me esquecia, quando vires o filme, espera mesmo até os senhores que arrumam a sala aparecerem, acredita, vale a pena ver os créditos até ao fim.

Posted in 7ª Arte and tagged , , , , , , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *