Um tutti desafiante em território português

“Qual é o futuro da musicoterapia em Portugal?” – é a esta pergunta que esta reportagem pretende responder. Desde a criação do mestrado em Musicoterapia pela Universidade Lusíada de Lisboa, em 2010, até à tentativa de profissionalização dos musicoterapeutas por parte da Associação Portuguesa de Musicoterapia, iniciada há muito e oficializada através da criação da petição “Reconhecimento da Profissão do Musicoterapeuta em Portugal”, em 2016, tem sido realizado um esforço coletivo e constante para promover e consolidar a “utilização da música e/ou dos seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, num processo de facilitação e promoção da comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas”. Neste sentido, surge a necessidade de contar a história de profissionais, dos seus sucessos e, acima de tudo, das adversidades com as quais se deparam, conjugando os seus pontos de vista.

Clique aqui para ler este artigo.

Autor
Maria Moreira Rato

Se virem uma rapariga com o cabelo despenteado, fones nos ouvidos e um livro nas mãos, essa pessoa é a Maria. Normalmente, podem encontrá-la na redação, entusiasmada com as suas mais recentes descobertas “AVIDeanas”, a requisitar gravadores, tripés, câmaras, microfones e o diabo a sete no armazém ou a escrever um post para o seu blogue, o “Estranha Forma de Ser Jornalista”… Ah, e vai às aulas (tem de ser)! Descobriu que o jornalismo é sua minha paixão quando, aos quatro anos, acompanhou a transmissão do 11 de setembro e pensou: “Quero falar sobre as coisas que acontecem!”. A sua visão pueril transformou-se no desejo de se tornar jornalista de investigação. Outras coisas que devem saber sobre ela: fica stressada se se esquecer da agenda em casa, enlouquece quando vai a concertos e escreve sempre demasiado, excedendo o limite de caracteres ou páginas pedidos nos trabalhos das unidades curriculares. Na gala do 5º aniversário da ESCS MAGAZINE, revista que já considera ser a sua pequena bebé, ganhou o prémio “A Que Vai a Todas” e, se calhar, isso justifica-se, porque a noite nunca deixa de ser uma criança e há sempre tempo para fazer uma reportagem aqui e uma entrevista acolá…!

Posted in Música and tagged , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *