• Media

    Se queres perceber porque é que fomos parar ao salazarismo, vê “Vento Norte”

    A RTP continua a investir em produções portuguesas e, mais uma vez, com ingredientes históricos muito ricos. “Vento Norte” ainda mal começou e já se percebeu que a nova aposta da RTP fala de muitos temas nunca antes explorados. Na série que retrata os “loucos anos 20” portugueses, investiu-se mais de 200 mil euros por episódio. Sopram ventos esperançosos para aquilo que poderá vir a ser a continuidade de uma série portuguesa que promete superar produções como “Madre Paula”, “Filhos do Rock”, “O Atentado”, “Conta-me Como Foi”, entre outras. A nova produção da RTP, para além de contar com um elenco de luxo – como já é apanágio do primeiro…

  • Opinião

    Raios partam as pessoas que amamos por terem de morrer

    “Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar?” Não sou eu quem o questiona, é Miguel Esteves Cardoso. Se calhar, até podia ter sido eu a escrever isto, à minha maneira, porque o senti e sinto. Este foi dos primeiros textos sobre a morte e sobre o processo de luto que li depois de eu própria ter sofrido na pele a perda irreparável de alguém que amo. No humor que lhe é (re)conhecido, Esteves Cardoso diz-nos aquilo…

  • Moda e Lifestyle

    Moda sustentável no Instagram: seguir a linha traçada pelo compasso da economia circular

    Nos últimos anos, as lojas de roupa em segunda mão têm proliferado na Internet, sobretudo no Instagram. Se muito murchou neste último ano, em que estivemos confinados por conta da pandemia de Covid-19, o mercado das roupas de segunda-mão no Instagram floresceu. Duas jovens que criaram as suas lojas durante a quarentena  contam-nos como é gerir uma loja de roupa em segunda-mão no Instagram e como é que os seus negócios seguem a linha traçada pelo compasso da economia circular.  A indústria da moda foi vigorosamente impactada pela pandemia da Covid-19. As empresas de moda viram as suas vendas a cair por terra conforme as lojas fechavam, os eventos de…

  • Música

    O encanto das live performances

    Adoramos ouvir as nossas músicas favoritas e ouvimo-las vezes sem conta ou há uma música que até nem ouvimos tanto a versão produzida em estúdio – não nos cativa assim tanto. De repente, as canções preferidas ou as que nos passavam ao lado são apresentadas ao vivo e aí ganham uma dimensão diferente. As live performances, para além dos concertos, costumam ser as partes favoritas de um artista. Ali recebem feedback instantâneo, percebem como as suas canções tocaram o seu público, é sair do estúdio para o mundo real, é uma celebração conjunta. Nestas performances, os artistas podem adicionar mais camadas e pormenores às suas canções. Utilizam as luzes, a…

  • Literatura

    O ‘espetáculo’ em Guy Debord: transição ou aprofundamento?

    Em 1967, nas vésperas da última grande revolução estudantil, o intelectual francês Guy Debord publicou “La Société du Spectacle”, “A Sociedade do Espetáculo” em português. Mais de cinquenta anos se passaram e Debord mantém intacto o seu mito, pelo legado, currículo, fim trágico e relevância no pensamento contemporâneo. Este ano, a excelente editora Antígona fez-nos chegar, pelas quatro mãos da tradução de Francisco Alves e Afonso Monteiro, a primeira edição da obra em português de Portugal. Parece inacreditável como uma das obras mais pertinentes da filosofia pós-moderna chega tão tardiamente ao nosso país. Mas deixemos isso. O que significa, então, ‘espetáculo’ e o que significa estarmos imersos na intitulada ‘sociedade…