Literatura,  Secções

As nossas escolhas literárias de 2015

2015 está a terminar e, com o fim do ano, chegam as retrospetivas. A equipa de Literatura da ESCS MAGAZINE não quis ficar de fora e, por isso, hoje trazemos-te o livro preferido de cada um dos elementos desta secção.

A escolha da Ana Rita Nunes é o livro “1984”, de George Orwell.
Uma máquina do pensamento intemporal. “1984” foi, sem dúvida, o livro que mais me marcou este ano pela sua irreverência. Um grito. Uma exaltação. Um texto brilhante sobre os perigos de uma sociedade vigilante 24 sobre 24 horas. Os cidadãos deste mundo “imaginário” são marionetas nas mãos do poder. O lado mais negro da humanidade é colocado em confronto com a esperança na mudança, incorporada no protagonista da obra. Uma mensagem verdadeira e atual, num livro escrito em 1949, que não nos deixa indiferentes. Um conselho: leiam para crer!

A escolha do Duarte Pagou é o livro “Os Irmãos Karamázov”, de Fiódor Dostoievsky
O último romance de Fiódor Dostoievsky, um dos maiores escritores russos de todos os tempos, é um dos maiores e melhores romances de sempre. Um verdadeiro colosso da literatura mundial, Os Irmãos Karamázov aborda todo um manancial de temas transcendentes e imanentes, que levam o leitor a interrogar-se, muitas vezes, sobre as suas convicções e a pôr em causa as convenções que tomamos como certas, tudo numa linguagem apaixonante, vibrante e rica de significados.

A escolha da Inês Rebelo é o livro “O Crime do Padre Amaro”, de Eça de Queirós
O livro que mais me marcou este ano foi um clássico: “O Crime do Padre Amaro”. A leitura desta obra foi para mim uma viagem surpreendente e de tirar o fôlego: uma viagem no tempo, até ao fim do século XIX, quando as pessoas viviam acreditando que Deus e os santos as puniriam severamente por cada pecado que cometessem e a religião ditava quase todos os aspectos da sua vida. É uma crítica cerrada à sociedade da época, enlaçada numa história lindíssima que nos prende às páginas e não nos deixa parar de ler.

A escolha da Madalena Costa é “After”, de Anna Todd
“After”, de Anna Todd, tornou o meu 2015 mais feliz por ter tido nas mãos um livro tão cativante como este. Este livro conta a “típica” história da miúda certinha que se apaixona pelo “bad boy” com um passado misterioso que, ora a maltrata, ora lhe diz que a ama. Por ser uma história que provoca emoções verdadeiramente inesperadas aconselho a todas as pessoas a lerem atentamente este livro.

A escolha da Sofia Costa Lima é “Blackpot”, de Dennis McShade
Talvez por nunca ter lido um livro em tão pouco tempo, “Blackpot” marcou o meu ano. É pequeno mas de uma escrita impressionante, como só Dinis Machado (aqui assina como pseudónimo) conseguia. Tudo aquilo de que precisam de saber sobre este livro é que são 58 páginas frenéticas, cheias de ritmo e que lembram o guião de um filme. É impossível ficar indiferente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *