• 7ª Arte

    A complexidade da vingança feminina em filme

    Com o filme Uma miúda com Potencial a dominar os Globos de Ouro, muitos têm previsto que esta gema de Emerald Fennel poderá ganhar muitas das categorias para que está nomeado. Enquanto alguém que viu e gostou, não consegui deixar de pensar em todos os filmes que abriram as portas para o seu sucesso e permitiram o aperfeiçoamento da fórmula do que é, na sua base, um conto de vingança feminina, um género que tem fama de ser complicado. A responsabilidade subentendida do género Quando pesquisei filmes de vingança feminina, encontrei algumas gemas, mas poucos mainstream que pudessem ser comparados ao objeto de análise. Porém, houve um que reparei que…

  • 7ª Arte

    “A Grande Escavação”: a prova de que a verdade prevalece

    Um filme sobre um marco histórico apaixonante, totalmente desprovido de paixão. A Grande Escavação está disponível na Netflix e foca uma descoberta verídica, enquanto, por si só, representa um marco histórico. Enquanto a Segunda Guerra Mundial representa um cenário cada vez mais próximo, uma viúva, Edith Pretty (Carey Mulligan), rica e de boas famílias recorre a um humilde escavador, Basil Brown (Ralph Fiennes), para investigar um palpite que há anos lhe tira o sono. A premissa é simples: A Mrs. Pretty quer saber o que esconde uma determinada elevação na sua propriedade, sendo essa mesma curiosidade o que a motivou a adquirir os terrenos. Recorre a Basil Brown para concretizar a tarefa…

  • 7ª Arte

    “Malcolm&Marie”: a toxicidade de um amor a preto e branco

    Malcolm & Marie, da autoria de Sam Levinson – o criador da série da HBO Euphoria – , estreou no passado dia 5 de fevereiro, na Netflix. O filme começa com um jovem casal a regressar a casa, depois da estreia do primeiro grande sucesso do cineasta Malcolm Elliot (interpretado pelo ator John David Washington). É imediatamente percetível que a sua namorada, Marie (interpretada pela atriz Zendaya), não se encontra no mesmo espírito de celebração, mantendo-se distante e pouco faladora. Eventualmente, Marie revela que o motivo para a sua frieza é o facto de Malcolm não lhe ter agradecido durante o seu discurso, especialmente porque o filme foi baseado na…

  • 7ª Arte

    Emma, e ponto final

    Mais uma adaptação de Jane Austen, autora de “Orgulho e Preconceito”, “Razão e Sensibilidade” e “Emma.” – como o próprio ponto final no título indica – é um romance de época (period piece) que se propõe a mostrar e satirizar a vida na zona rural inglesa, durante o século XIX. Contudo, em pouco esta obra da diretora estreante Autumn de Wilde se assemelha às adaptações anteriores dos livros da escritora inglesa. A personagem principal, interpretada pela talentosa Anya Taylor Joy, – que tem sido muito aclamada pelo seu trabalho em “Gambito de Dama” – Emma Woodhouse, é descrita logo no início do filme como sendo rica, inteligente e bonita. A…

  • 7ª Arte

    La Dolce Vita: a festa do vazio

    É um monumento de Fellini. O filme que mais lhe granjeou fama, especialmente em Hollywood. É muito mais do que a cena de Ekberg na Fontana di Trevi – Mastroianni é um monstro na tela. Há quem diga que A Doce Vida, de 1960, é mais autobiográfica do que Oito e Meio, de 1963. Fellini saiu da sua rimini natal. Em Os Inúteis, filme de 1953, a gosto pessoal talvez o seu melhor filme (o que o torna, obrigatoriamente, num dos melhores filmes de sempre), ensaiou Roma em casa – rumou à cidade eterna em 1939, onde trabalhou num jornal satírico da época. É nessa inspiração como jornalista que Fellini…

  • 7ª Arte

    O melhor da Sétima Arte nacional

    Desde a projeção dos primeiros filmes portugueses dirigidos por Aurélio Paz dos Reis em 1886, o cinema português foi alvo de críticas negativas. Atualmente, há cineastas que são reconhecidos internacionalmente, tal como Manoel de Oliveira (1908-2015), premiado com o Leão da Honra do Festival de Veneza, sendo a nível mundial o realizador cuja carreira foi a mais longa da história da cinematografia. De modo a lembrar o potencial da sétima arte nacional, sugerimos quatro obras cinematográficas produzidas no país do sul da Europa onde se comemora a História, a cultura e a tradição. Os Maias: Cenas da Vida Romântica (2014), de João Botelho A longa-metragem dramática e romântica de João…

  • 7ª Arte

    P´tit Quinquin: Uma sátira ao patriotismo francês

    Um prado verde com arbustos e habitações ocasionais enquadram o protagonista. De nuca descoberta, evidenciando o cabelo curto e o aparelho auditivo, o rapaz observa acolá uma jovem a tocar uma canção num instrumento de sopro. Já de frente, o pequeno confunde-se com uma versão encolhida do Stalker, de Tarkovski. Estes são os três planos que iniciam a história ocorrida num aldeia em França. O pequeno Quinquin – no original, P´tit Quinquin – para além de dar nome ao rapaz de nariz tosco, é também o título da inesperada comédia de Bruno Dumont. Ao volante de um Citroën, numa condução agressiva, o comandante Van der Weyden (Bernard Pruvost) e o…

  • 7ª Arte

    A história inspiradora d’O Rapaz que Prendeu o Vento

    The Boy Who Harnessed the Wind (em português O Rapaz que Prendeu o Vento) é um filme original britânico (inspirado no livro autobiográfico de William Kamkwamba com o mesmo nome) escrito e dirigido pelo ator Chiwetel Ejiofor, estrela do filme 12 Anos Escravo, também presente no elenco. Para quem nunca tinha exercido estas funções, o ator trouxe-nos, no dia 25 de janeiro de 2019, uma narrativa à qual ninguém consegue ficar indiferente: a história de William Kamkwamba, um rapaz de 13 anos que vê a sua aldeia a passar fome e, com aquilo que encontra no ferro-velho, constrói uma turbina eólica para criar energia e bombear água para plantar alimento.…

  • 7ª Arte

    Doclisboa através do conforto de casa, de 18 a 24 de fevereiro

    O Doclisboa, o mais antigo festival de cinema em Portugal exclusivamente dedicado ao documentário, regressou a 22 de outubro de 2020 e tem-se adaptado aos novos tempos. A 18.ª edição do Festival Internacional de Cinema, dividida em sete módulos distintos com o intuito de se ajustar ao contexto da pandemia, abriu na Culturgest com a estreia mundial de Nheengatu – A Língua da Amazónia, do realizador português José Barahona, inserido no âmbito do primeiro módulo inteiramente dedicado aos Sinais. Perante a renovação das medidas restritivas de combate à Covid-19, a organização do festival voltou a sofrer alterações, com adiamento de programação e colocação das peças online. Mantém-se, no entanto, intocável…

  • 7ª Arte

    Requiem For a Dream: O retrato da dependência como não o esperamos

    Requiem For a Dream, ou A Vida Não é Um Sonho (em bom português), é um dos épicos filmes de Darren Aronovsky. O realizador dos filmes Black Swan, Mother!, entre muitos outros, não põe mãos à obra para desiludir e esta obra do fim do século XX (ano 2000) não foi exceção. Conhecido por gerar controvérsia através do drama e do terror psicológico, Aronovsky não produz filmes para todos os gostos, mas não é isto que impede o enorme sucesso do mesmo. O filme em questão conta com a participação dos brilhantes Jared Leto e Jennifer Connelly, que interpretam as personagens principais Harry e Marion, Ellen Burstyn, que participou na…