• 7ª Arte

    “All the Bright Places”: muito mais do que uma história de amor

    Dirigido por Brett Haley e baseado no romance de mesmo nome de Jennifer Niven, “All the Bright Places” conta com Elle Fanning e Justice Smith como atores principais, tendo estes tido uma interpretação brilhante. Chegou à Netflix dia 28 de fevereiro de 2020 e não deixou ninguém indiferente. Com uma trama que transcende o típico filme romântico, conta-nos muito mais do que a história de amor de Violet e Theodore Finch. A história desenrola-se em Bartlett, Indiana, local onde residem os dois adolescentes. Violet e Finch não se conhecem em circunstâncias normais: numa gélida manhã, onde ambos quase cometem uma fatalidade. Ao fazerem par num trabalho escolar, visitam os locais…

  • 7ª Arte

    “LEVIANO”: Um filme que encanta a vista, mas que não enche o coração

    Visualmente falando, “Leviano” é um trabalho notável. No que à banda sonora diz respeito, esta é dotada de um bom gosto tremendo. Já no que toca ao conteúdo, é demasiado oco. A primeira longa-metragem do realizador Justin Amorim convida-nos a mergulhar na problemática da história da família Paixão – composta pela mãe Anita (Anabela Teixeira) e pelas suas filhas Adelaide (Diana Marquês Gomes), Júlia (Mikaela Lupu) e Carolina (Alba Baptista). «Não vais vestir preto?» é a primeira frase que ouvimos em “Leviano” e aquela que mais informação revela. Ainda que de forma inconsciente, associamos a cor preta à ideia de morte ou de tragédia. E, de facto, acertamos na muche.…

  • 7ª Arte

    “Playtime”: O avanço das máquinas

    Monstruoso filme de Jacques Tati numa Paris domada pelas máquinas, humanas ou menos humanas. Há sempre uma vontade de voltar aos clássicos. O leitor que nos absolva de qualquer declaração de saudosismo que a intenção é sempre a de celebrar o cinema e não a de recorrer ao chavão de “que o que era antes é que era realmente bom”. No entanto, é também por essa intenção que Playtime faz sentido. Pasme-se: um filme antigo que é incrivelmente atual e que aborda a tecnologia que domina a sociedade contemporânea, mas Jacques Tati já tinha explorado em O Meu tio (1958) a exuberância plástica da tecnologia. Como esquecer a casa da…

  • 7ª Arte

    Sean Connery: O Eterno James Bond

    Sean Connery foi (e será sempre) um dos maiores ícones da arte cinematográfica britânica, chocando o mundo inteiro, no passado dia 30, com a notícia da sua morte. Nascido a 25 de agosto de 1930 e filho de pais escoceses, o primeiro James Bond deu início a uma nova e magnífica era de espiões. O engraçado é que, antes de escolher o caminho do teatro, Connery iniciou uma carreira numa área completamente oposta: o desporto. Chegou até a receber uma proposta do Manchester United, mas decidiu recusar, dedicando-se à sua verdadeira paixão, dizendo que foi uma das suas “jogadas mais inteligentes”. E, assim como disse, foi. O seu primeiro grande…

  • 7ª Arte

    “Tudo pela Justiça” – a luta contra a relativização do conceito de justiça

    Muito mais que uma peça cinematográfica que conta com Michael B. Jordan no papel principal, Tudo pela Justiça é um retrato chocante, emotivo e real da discriminação racial numa sociedade próxima da atual, em que a execução da justiça se sobrepõe aos direitos humanos. O drama de 2019 avaliado em 7.1/10 pelo IMDb, realizado por Destin Daniel Cretton e adaptado do livro de memórias Just Mercy: A Story of Justice and Redemption, escrito por Bryan Stevenson, narra a luta do advogado em prol da defesa dos prisioneiros injustamente condenados à pena capital, no estado do Alabama. Baseado em eventos verídicos, Tudo pela Justiça conta a história de Walter “Johnny D” McMillian (Jamie Foxx), um homem negro…

  • 7ª Arte

    James Wan: O melhor do pior

    Assim como Christopher Nolan é a cara do suspense psicológico, James Wan é a face do terror de hoje em dia. As suas obras cinematográficas revolucionaram um género anteriormente julgado como morto no mundo contemporâneo. Nascido no dia 27 de Fevereiro de 1977, Wan é um diretor de cinema de nacionalidade malaia. Através da sua arte, conseguiu silenciar a ideia de que o terror mais assustador já tinha sido apresentado ao público. No meio de tantas histórias sanguíneas sem substância do século XXI, The Conjuring (2013), conhecido em português como Invocação do Mal, destacou-se. O seu filme acompanha Ed e Lorraine Warren, um casal de investigadores paranormais, na visita à…

  • 7ª Arte

    “Listen”: Mais do que um filme, uma denúncia

    Foi no ano de 2016, que se tornaram conhecidos, através dos órgãos de comunicação social, os casos chocantes de adoções forçadas em Inglaterra. Crianças são retiradas às suas famílias – na sua grande maioria, de nacionalidade estrangeira -,  que pertencem a classes baixas e não têm grandes possibilidades de contornar e de fazer frente a um sistema abusivo cujos processos são, à partida, dogmáticos e irreversíveis. Aliás, o Estado paga grandes quantias de dinheiro a determinadas famílias para que adotem estas crianças. Listen, esta que foi a primeira longa-metragem dirigida por Ana Rocha de Sousa,valeu respeitáveis e meritórias distinções à realizadora (e também atriz) portuguesa no Festival Internacional de Cinema…

  • 7ª Arte

    “Goodbye, Lenin!”: Uma viagem pela Ostalgie e os tempos que não voltam mais

    A 9 de novembro de 1989, a Alemanha e o resto do mundo assistiam ao início da queda do Muro de Berlim. O fim da cortina de ferro que separava um país em República Federal Alemã (RFA) e República Democrática Alemã (RDA) marcou também a queda da União Soviética e da Guerra Fria e foi o final derradeiro dos efeitos secundários da Segunda Guerra Mundial. Quase 14 anos depois, a 9 de fevereiro de 2003, estreava “Goodbye, Lenin!” O filme de Wolfgang Becker conta-nos a história de Christiane, uma comunista devota do seu regime e cidadã exemplar, que sofre um ataque cardíaco e entra, consequentemente, em coma. Nos meses que…

  • 7ª Arte

    “Rebecca”: Uma história com potencial mal executada

    A 21 de outubro, a Netflix disponibilizou o filme ‘Rebecca’. Os atores principais chamam a atenção, bem como o trailer. Este thriller foi anunciado em 2018 e as filmagens começaram em junho de 2019. Realizado por Ben Wheatley e escrito por Jane Goldman, Joe Shrapnel e Anna Waterhouse, tem uma duração de quase duas horas. Uma jovem tímida – cujo nome nunca é revelado – é dama de companhia de uma mulher rica. Certo dia, em Monte Carlo, durante o ofício, o seu caminho cruza-se com o de Maxim de Winter, um homem de posses, recentemente enviuvado. Começam a passar tempo juntos e, ao fim de uma semana, surge um…

  • 7ª Arte

    Os derradeiros clássicos para assistir na noite de Halloween

    O fim do mês de outubro está mesmo aí à porta e com ele vem o Halloween. Criada com o intuito de celebrar os mortos e conhecida originalmente como All Hallows Eve,  esta é uma tradição anglo-saxónica com origem no século XVIII. Mas a verdade é que o modo como é celebrada hoje em dia já pouco ou nada tem a ver com as suas origens. E se há quem adore passar a noite em festas ou na tradicional “trick or treating”, a verdade é que este ano a pandemia obriga a repensar os nossos hábitos e a criar outras formas de celebrar a festividade. Quem disse que uma noite…