Atualidade,  Informação

20h30: “A hora do planeta”

Captura de ecrã 2016-03-20, às 02.16.19

O desafio, que já vai na sua 10.ª edição, tem cada vez mais aderentes

A “Hora do Planeta” propõe que se desliguem, hoje, as luzes entre as 20h30 e as 21h30, de modo a ajudar a mudar as alterações climáticas. Em nome da sustentabilidade, a ação é promovida pela organização internacional WWF, que pretende “encorajar as pessoas a participarem numa plataforma da ação climática, a apoiarem a iniciativa e, no sábado, dia 19 de março, quando se celebra a Hora do Planeta (…), a desligarem as luzes simbolicamente”, resumiu à agência LUSA a coordenadora e representante das relações públicas da organização, Ângela Morgado.

Por sua vez, Morgado, a responsável pela WWF em Portugal, fortificou o objetivo desta iniciativa, afirmando que “as pessoas no seu dia-a-dia tenham comportamentos que ajudem a combater as alterações climática e sejam mais sustentáveis”.

Serão cerca de 80 as cidades portuguesas a aderirem a esta iniciativa e o número total deverá ser semelhante àquele dos últimos dois anos. As localidades vão desligar as luzes de monumentos emblemáticos e comprometem-se a passar a mensagem baseada na necessidade de alterar o atual modo de vida.

“Todos os dias podemos fazer coisas diferentes para melhorar o ambiente, em termos de gastos de energia, utilização de recursos, gastos de água, no sentido de melhorarmos a nossa sustentabilidade diária, entre outras”, salientou ainda Morgado.

A importância deste evento ganha agora mais relevância do que nunca: a frequência de fenómenos extremos, como ondas de calor, secas e elevadas quantidades de chuva, como também os crescentes níveis de poluição e desgaste dos combustíveis fósseis têm prejudicado o planeta. Segundo dados publicados em 2015 pelo Eurostat, Portugal é o terceiro país da União Europeia com o maior aumento de emissão de dióxido de carbono – a Alemanha e a Dinamarca encontram-se no topo da lista.

No mundo, este ano é de esperar a participação de 178 países e de mais de sete mil cidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *