Centro ou Caverna?

A Caverna é uma obra de José Saramago – um romance na verdade – publicada no ano 2000. A sua história trata-se da descrição do impacto que a nova economia pode exercer nos meios tradicionais. Ou seja, descreve de forma aprofundada uma família de oleiros que vê a sua vida a mudar completamente devido à chegada de um centro de compras à cidade.

Cipriano Algor, principal fornecedor de loiças artesanais para o centro, acaba por ver os seus serviços dispensados visto que na vida moderna as pessoas preferem utensílios de plástico. Aliás, “moderno” e “cómodo” são as palavras mais utilizadas para descrever aquele centro que se comparava a um prédio enorme. Abatido com a situação, Cipriano dá-se por vencido e, ao dar ouvidos aos conselhos de sua filha, Marta, e do seu genro, Marçal, decide mudar-se para o centro. A mudança vem romper o forte amor que o oleiro sentia pela vizinha, Isaura, e ainda abandona o seu fiel cão, visto que animais na vida moderna são considerados sujos e imundos.

Já instalado no centro, Cipriano decide tentar compreender o que torna aquele lugar tão atrativo. Tudo é organizado, limpo, novo, planeado e deliberado de forma a agradar a todos. Contudo, o oleiro, persistente, ouve rumores sobre uma obra no centro e decide investigar. Lá encontra-se com Marçal, que vigiava a situação, e os dois acabam por se deparar com seis corpos humanos, presos numa posição que os força a olhar infinitamente para uma parede. Assustados, reconhecem de imediato o mito da Caverna de Platão e decidem fugir para longe de modo a não caírem na vida de consumo e na prisão que aquele centro é.

Nesta obra, Saramago não desenha o centro como um local simples e físico, mas sim como um representante do consumo, da sociedade onde tudo é descartável e substituível. A obra está sempre em comparação com a A Caverna de Platão, com as alturas e os prisioneiros que se igualam ao mito, e pretende mostrar que estamos presos a algo e que isso será o nosso fim. Critica indiretamente as novas gerações que estão cada vez mais ligadas e presas aos media, às tecnologias e ao consumo. Segundo Saramago, a Caverna é “aqui” e as pessoas presas ao ver as sombras somos nós.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *