Conversations with a Killer: Ted Bundy Tapes

36. Não, este número não é nem o número de episódios nem a idade de Ted Bundy e muito menos o tempo de cada episódio. 36 é mesmo o número de raparigas que foram mortas por um dos maiores assassinos em série da América, Theodore Robert Bundy.

“Conversations with a killer” é uma série de apenas 4 episódios. 4 episódios de quase uma hora, à excepção do último – que tem a duração de uma hora e um quarto. Para alguns, é impensável ver séries com episódios tão grandes, mas acredita que, neste caso, não te vais arrepender (de todo!).

Se o tempo por episódio é muito, deves estar a pensar que 4 episódios é pouco. Nesta parte, até tens razão, mas ao longo da série vais perceber que foi o essencial para mostrar a vida deste assassino tão bem parecido.

Se não sabes quem é o Ted Bundy, esta é a série perfeita para o conheceres. É baseada na sua vida e mostra quase todo o seu percurso até à sua morte, mas a maior ênfase é dada ao seu período de vida entre os 28 anos e os 42 anos, idade com que morreu.

Fonte: IMDb

Ted Bundy era licenciado em Psicologia e estava a tirar Direito. Era muito comunicativo, inteligente, bom falante e charmoso. Encantava muitas mulheres com as suas qualidades.

Muitos ainda hoje se interrogam sobre como é que é possível um homem licenciado, que até já estava a tirar o seu segundo curso, também ter sido um dos maiores e mais temíveis assassinos em série dos Estados Unidos da América durante a década de 70.

Ted só matava mulheres. A mais nova de todas tinha 12 anos. Como te disse, foram 36 raparigas mortas em 5 estados diferentes. O método de Ted Bundy era macabro. Ele não as matava simplesmente. Batia-lhes, matava-as e violava-as. Algumas delas até tinham mordidelas no corpo. E tinha preferência pelas vítimas: mulheres de cabelos escuros e bonitas.

Fonte: IMDb

Ted Bundy era o assassino perfeito no início, mas foi começando a descuidar-se. Os seus crimes começaram a não ser perfeitos e o seu comportamento às vezes deixava as pessoas desconfiadas. Isso fez com que fosse apanhado e preso. Foi julgado no Colorado, na Flórida e no Utah, mas nunca admitiu que era o culpado até ao dia antes da sua morte.

O assassino em série era uma pessoa peculiar. Uma pessoa muito segura de si, que estava quase sempre de sorriso na cara e era capaz de jurar que não tinha cometido esses crimes. Nos julgamentos, até foi o seu próprio advogado. Porém, isso não o ajudou. Acabou por ser julgado e condenado a pena de morte.

Toda a série é baseada em conversas que Ted Bundy concordou ter com um jornalista. Não tem tanto uma forma de série, mas sim de documentário, que nos é apresentado de forma cronológica.

O documentário não pretende apenas mostrar aquilo que o assassino fez, mas sim compreender o pensamento de alguém que é capaz de o fazer. Isto porque, durante as conversas com o jornalista, Ted Bundy nunca confessou aquilo que fez, mas sim explicou, no papel da psicologia, aquilo que teria levado o assassino a fazer o que tinha feito. Basicamente falou na terceira pessoa sobre todos os assassinatos que ele próprio tinha cometido.

Fonte: IMDb

Um dos pontos mais interessantes em toda a série é ver que raparigas iam aos julgamentos do assassino e quase o idolatravam. É assustador pensar que só porque era um homem charmoso, que sabia falar e mantinha a postura, as pessoas acreditavam que ele não seria capaz de cometer os crimes de que era acusado.

Infelizmente, isso ainda acontece em vários casos, mesmo nos dias de hoje.

Não há um padrão de assassino, assim como não há um padrão para pessoas “boas” e que não cometem crimes. Isto leva-nos a pensar em duas coisas: como é que alguém se pode basear na beleza de uma pessoa para supor que ela cometeu ou não um crime? Não há um padrão definido. Não há suposição possível. Ver que as raparigas o idolatravam, tendo ele feito o que fez, era ainda mais aterrador.

Outra das coisas que a série nos leva a pensar, e por isso deixo-te a pensar também, é: como é que conseguimos ter a certeza de que alguém próximo não é capaz de fazer uma coisa destas? Como é que podemos sentir-nos realmente seguros e confiar em quem conhecemos? As pessoas próximas de Ted nunca pensaram que ele fosse capaz de fazer tal coisa, por isso, como é que nós vamos ter a certeza de que as pessoas que conhecemos também não seriam capazes?

Fonte fotografia “thumbnail”: IMDb

Artigo revisto por: Andreia Jesus

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

SNS e o suicídio

Não saber que o Sistema Nacional de Saúde é lento é como não saber que data é 1143: é sinal de que não se é

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *