Atualidade

Morreu António Arnaut, fundador do Serviço Nacional de Saúde

António Arnaut morreu esta segunda-feira aos 82 anos. Várias figuras da política nacional relembram-no e elogiam a pessoa que foi.

António Arnaut morreu nos hospitais da Universidade de Coimbra onde estava internado. Desde há duas semanas que se ausentava de compromissos devido à degradação do seu estado de saúde.

Arnaut foi Ministro dos Assuntos Sociais no II Governo Constitucional liderado por Mário Soares, que tomou posse em 1978. Nessa altura escreveu a lei que fundou o Serviço Nacional de Saúde e, por isso, é considerado o “pai” deste serviço.

António Costa recorda o também histórico socialista e co-fundador do PS como “um militante dedicado” e afirma “honrou-nos como deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República e como governante.” António Arnaut tinha sido nomeado em 2016 Presidente Honorário do Partido Socialista. O atual Primeiro Ministro decretou luto partidário. O Presidente da República também lamentou a morte de António Arnaut, considerando-o um “cidadão impoluto” e “um lutador pela liberdade e pela democracia”. Marcelo Rebelo de Sousa agradece o que António Arnaut fez por Portugal e salienta o empenho deste na solidariedade social.

Assunção Cristas, líder do CDS, considera António Arnaut “um homem profundamente dedicado às causas em que acreditou”. Considera que esta é uma perda para a saúde, mas afirma ser necessário continuar a “batalhar para que o SNS funcione melhor”. O objetivo, segundo Assunção Cristas, é melhorar a saúde em Portugal.

O Sindicato Independente dos Médicos, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros e o bastonário da Ordem dos Médicos lamentam a morte, mas destacam o bom caráter de Arnaut e a sua luta pelo SNS.

António Arnaut deixou uma última mensagem pública no II Congresso da Fundação Para a Saúde SNS. O congresso realizou-se na passada sexta-feira, dia 18. Na mensagem enviada afirmava ser necessário “reconduzir o SNS à sua matriz constitucional e humanista”. Apelou à discussão sobre a saúde e à realização de iniciativas legítimas e democráticas para chamar à atenção do governo sobre os problemas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *