Prejuízos superiores a 32 milhões de euros causados pela Tempestade Leslie

A tempestade Leslie causou prejuízos superiores à quantia de 32 milhões de euros no concelho figueirense, mais de 20 milhões dos quais em empresas, de acordo com uma estimativa preliminar, elaborada pela autarquia da Figueira da Foz.

A Câmara Municipal da Figueira da Foz, que manteve ao longo desta quarta-feira 20 equipas dos serviços de urbanismo, obras municipais e fiscalização a fazer o levantamento por todo o concelho, prevê que os danos em casas particulares ascendam a cinco milhões de euros. Já os prejuízos provocados pela tempestade em edifícios e equipamentos da autarquia – onde se incluem áreas verdes, mobiliário urbano e sinalização viária – se resumam a 2,8 milhões.

Para além disto, os danos contabilizados até ao momento rondam os 2,5 milhões, por entre os quais se dividem equipamentos de juntas de freguesia, coletividades, associações e instituições particulares de solidariedade social (IPSS) do concelho, e dois milhões em infraestruturas da PSP, GNR e Hospital Distrital da Figueira da Foz.

Segundo a vereadora da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Ana Carvalho, na estimativa preliminar de 32 milhões de euros de prejuízos contabilizados pelo município não estão incluídos os danos sofridos nas três escolas secundárias da cidade – uma delas, a Bernardino Machado, que continua encerrada — e cujo levantamento é da responsabilidade da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares.

Ainda assim, este levantamento inclui a grande maioria de prejuízos contabilizados na área de domínio público marítimo dirigida pela Administração do Porto da Figueira da Foz, excetuando ainda os danos sofridos em infraestruturas públicas contíguas à atividade portuária, que somam 570 mil euros aos mais de 32 milhões indicados pela autarquia.

O levantamento preliminar de prejuízos realizado pelo município da Figueira da Foz, situado no distrito de Coimbra – que foi referenciado como o ponto de entrada em terra do furacão Leslie – foi hoje enviado à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, por solicitação desta entidade, segundo afirmou Ana Carvalho. Foi neste município ainda que se registou, no sábado à noite, uma rajada de vento que atingiu cerca de 176 quilómetros por hora, valor mais elevado assinalado em Portugal.

Fonte: NASA

Artigo corrigido por Rita Serra

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *