Lifestyle

Um dia a explorar Lisboa: o que não podes perder

Este roteiro de um dia em Lisboa percorre algumas das atrações de eleição da cidade e, quem sabe, alguma delas se tornará a tua preferida. Todos os locais que mencionei são relativamente próximos uns dos outros, o que achei essencial visto que um dia passa a correr e não quero que percas muito tempo em deslocações. Aproveita bem o teu dia, cria boas memórias e, claro, tira muitas fotografias!

Manhã

Manifest Lisbon

Localizado no Marquês de Pombal, o Manifest é o local ideal para começares o teu dia com um brunch delicioso. No menu podes encontrar brunches de várias nacionalidades, desde o típico Continental até ao Escandinavo. Se esta mistura entre pequeno-almoço e almoço não for bem a tua praia, podes optar por pratos individuais como ovos (feitos de diversas formas), tostas e panquecas. A tarefa mais difícil que vais ter em mãos é escolher o que pedir, pois todos os pratos têm um aspeto delicioso.

Fonte: Tripadvisor

Estufa Fria 

 A Estufa Fria, projeto do arquiteto Raul Carapinha, foi inaugurada em 1933. Localizada no Parque Eduardo VII e com uma área de cerca de 1,5 hectares, está dividida em três partes: a Estufa Fria, a Estufa Quente e a Estufa Doce. É o espaço ideal para os amantes da natureza, pois lá podem observar lindos lagos e cascatas, plantas de variadas espécies, entre outras atrações.

Fonte: Sapo

Avenida da Liberdade 

É uma das principais avenidas de Lisboa, e liga a Praça do Marquês de Pombal à Praça dos Restauradores. Sendo a localização de grande parte das lojas de moda internacionais mais luxuosas, a Avenida da Liberdade é considerada os Champs-Elysées de Portugal. Aqui, além de encontrares as melhores lojas de designers de luxo, também podes encontrar os melhores restaurantes (caso disso é o JNCQUOI) e os melhores hotéis (tal como o Valverde Hotel). É verdade que estes locais são, na sua maioria, demasiado caros para o bolso de muitos de nós, mas é sempre agradável visitar a Avenida e deslumbrarmo-nos com as montras pelas quais passamos.

Fonte: Nit

Miradouro da Graça 

Também conhecido como Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen, localiza-se no antigo adro da Igreja do Convento da Graça. Juntamente com outros miradouros da cidade, é o local ideal para apreciar uma vista panorâmica sobre Lisboa, podendo desfrutar, ao mesmo tempo, de uma bebida na esplanada do miradouro.

Fonte: lisbonportugaltourism.com

Tarde

Restaurante Altar 

Para quem está à procura de um restaurante acolhedor e que homenageie a culinária portuguesa, o Altar é a escolha ideal. O restaurante mostra a sua preferência pelos pratos portugueses ao servir Polvo à Lagareiro, Bacalhau na Telha e Sardinhas. Aqui os vegetarianos também não são esquecidos, podendo desfrutar de um saboroso Tofu à Lagareiro.

Fonte: Cloudinary

Alfama 

É o bairro mais antigo e um dos mais típicos da cidade de Lisboa, conseguindo manter a sua alma, mesmo depois de se ter tornado uma atração turística. Em Alfama há muito para visitar, nomeadamente o Miradouro das Portas do Sol, a Igreja de São Miguel e o Mural de Amália Rodrigues.

Fonte: DescubraLisboa

Avenida da Ribeira das Naus 

Ligando o Cais das Colunas ao Cais do Sodré, a Ribeira das Naus é o local ideal para apanhar banhos de sol e descansar da longa caminhada pela cidade. Nela encontramos um quiosque e uma esplanada, onde podemos disfrutar de uma bebida enquanto apreciamos a vista sobre o Tejo. Uma verdadeira praia fluvial no centro da cidade – mas atenção: os banhos são interditos.

Fonte: mygon.com

Pink Street 

A Rua Nova de Carvalho, mais conhecida como Pink Street (Rua Cor de Rosa) fica localizada no Cais do Sodré. É considerada uma “galeria de arte ao ar livre”, sendo uma das 12 ruas europeias preferidas do New York Times. Nesta rua também te podes divertir à noite, sendo que se transforma num local de diversão noturna, repleto de bares, discotecas e esplanadas (como a discoteca Pensão do Amor e o bar Jamaica).

Fonte: pinimg.com

Noite

Time Out Market 

O Time Out é o local ideal para jantar (e não só), pois reúne uma vasta quantidade de opções gastronómicas, havendo pratos para todos os gostos. Este mercado foi criado de raiz pela equipa da revista Time Out Portugal e é composto por 26 mini restaurantes, 8 bares e ainda alguns espaços comerciais. Aqui podes provar as pizzas da ZeroZero, os pratos asiáticos do Asian Lab, os hambúrgueres da Ground Burger, pratos dos chefs Henrique Sá Pessoa, Marlene Vieira, Alexandre Silva, e muito mais. Depois destas saborosas iguarias, se ainda conseguires arranjar um espacinho para a sobremesa, os gelados da Davvero, os doughnuts da Crush Doughnuts e os pastéis de nata da Manteigaria são a opção ideal para terminar a refeição em grande.

Fonte: TimeOut

Bairro Alto

Depois de um jantar completo, não há nada melhor do que uma ida ao Bairro Alto para queimar energia (para lá chegares vais ter de subir um pouco, visto que se localiza numa das partes mais altas de Lisboa). Este é um bairro antigo e pitoresco localizado no centro da cidade, conhecido pela sua vida noturna, contando com inúmeros bares, restaurantes e casas de fado. Para quem gosta de uma atmosfera festiva, este é o local certo para terminar o percurso pela capital com chave de ouro. Se não fores fã deste tipo de sítios, podes sempre fazer uma visita de manhã e desfrutar do lado mais tranquilo deste bairro.

Fonte: Global Notícias

Acabou o teu dia e agora está na hora de descansar. Não te esqueças de que esta é apenas a minha sugestão. Todos gostamos de visitar coisas diferentes, portanto estás à vontade para alterar o roteiro da forma que faça mais sentido para ti. O importante é que te divirtas!

Fonte da capa: Vem Voar

Artigo revisto por João P. Mendes

AUTORIA

+ artigos

Se há cinco anos atrás (ou até menos) alguém dissesse à Carolina que ela iria para o curso de Jornalismo da ESCS ela certamente não acreditaria. A verdade é que sempre pensou que iria para a escola "vizinha", a ESELx, e que de lá sairia licenciada em Educação Básica. Escrever sempre foi algo que gostou de fazer, com os seus nove anos já abria o Word e escrevia pequenas histórias, brincando ao "faz de conta" e imaginando que era uma escritora famosa. No presente já não o imagina, mas a verdade é que viu na ESCS magazine uma excelente oportunidade para aperfeiçoar a sua escrita e, acima de tudo, para aprender coisas novas.