Fábrica Robinson – Do auge ao abandono

Quando se fala sobre o desenvolvimento industrial as primeiras cidades mencionadas são os grandes centros metropolitanos dos séculos XVIII e XIX, como Londres ou Lisboa. Muito dificilmente alguém mencionará Portalegre. Todavia, a pequena cidade do interior lusitano foi outrora o palco da ascensão da indústria corticeira nacional, categorizada na imponência da fábrica Robinson.

Encerrada desde 2009, a fábrica viveu momentos difíceis nos últimos anos de funcionamento, e atualmente apenas sobram as ruínas da glória de outrora; literalmente, pois a falta de modernização das máquinas e infraestruturas por parte das gerências mais recentes permite a visualização de tecnologia obsoleta do século passado. Contudo, os pesadelos do presente não devem desvanecer os méritos do passado, no tempo em que empregava perto de dois mil trabalhadores e ancorava o desenvolvimento económico e social portalegrense.

img1
img2

A família Robinson
É impossível documentar a história da unidade corticeira sem referir a família Robinson. Não só foram os fundadores da mesma, como também os principais investidores e proprietários durante os seus cento e sessenta anos de produção e tratamento de produtos derivados da cortiça.

Os investimentos por parte da família em terras alentejanas datam o ano de 1848, altura em que George William Robinson adquiriu a propriedade do seu compatriota Thomas Reynolds, na altura uma pequena oficina de transformação de cortiça situada no extinto convento de S. Francisco.

img3

George William Robinson (1813-1895)

Nos anos seguintes, o novo proprietário utilizou de forma eficiente as ferramentas que possuía para aumentar a produção e importância da fábrica: a abundância de sobreiros existentes na região permitiu uma enorme facilidade na extração de cortiça e a panóplia de contactos que George Robinson tinha, nomeadamente no Reino Unido, que em 1850 representava 50% das exportações corticeiras portuguesas, possibilitou o constante crescimento do negócio.

Em 1868, Robinson aumenta o espaço físico da fábrica, adquirindo outra parte do convento de S. Francisco, dando origem à primeira de muitas aquisições que iria efetuar ao longo dos anos com o objetivo de aumentar o espaço Robinson, não só em Portugal como também na vizinha Espanha.

Foi no ano de 1881 que a fábrica mudou de patrão. George William entregou o seu legado à próxima geração, o seu filho George Wheelhouse Robinson.

img4

George Wheelhouse Robinson (1857-1932) com sua esposa, Fanny Isabella Milner Robinson (1858-1942)

O herdeiro fez um trabalho sublime no decorrer das suas funções, continuando a aumentar o negócio e o seu valor. Mas foi na esfera social que George Wheelhouse Robinson se destacou. Impulsionou e apoiou a fundação da Sociedade União Operária Portalegrense (1896), foi fundador e posteriormente presidente da Associação Comercial e Industrial de Portalegre (1898), financiou o projeto da creche Baptista Rolo (1903), fundou o Corpo de Bombeiros Voluntários Privativos da Robinson (1908), entre muitas outras intervenções de cariz social.

img5

Corpo dos Bombeiros Voluntários Robinson

George Wheelhouse Robinson acabou por falecer em 1932, e, devido à morte prematura do seu filho, George Milne Robinson (1881-1918), motivada por doença, o negócio passou para a posse de acionistas (Sociedade Corticeira Robinson Bros., Lda), pondo fim à presença dos Robinson em Portalegre. Após a Segunda Guerra Mundial a fábrica viveu novamente um período áureo que se prolongou até à década de setenta.

Foi a partir dos anos oitenta que o negócio começou a perder a força e ferocidade dos anos anteriores, culminando em 2009 com a completa destruição do legado Robinson.

A “Fábrica da Rolha”
“Robinson” não é o único nome utilizado para denominar a fábrica; é normal ouvir a população mais idosa apelidá-la de “Fábrica da Rolha”. Contudo, a sua produção não consistia apenas em rolhas e com o passar dos anos até se afastou mais da produção das mesmas – todavia “fábrica da rolha” nunca abandonou o vocabulário da região. Mas para perceber o sucesso do negócio durante os séculos XIX e XX é necessário analisar as mudanças no tipo de produção e a evolução tecnológica que ocorreu durante esse período.

Nos primórdios da sua atividade, a Fábrica Robinson dedicou-se sobretudo à preparação de prancha enfardada, fabricação de rolhas e quadros.

A primeira aquisição de grande importância tratou-se de uma máquina a vapor de trinta cavalos, que permitiu o funcionamento da fábrica através de energia própria e possibilitou a aquisição de novos equipamentos produtivos. Estes dois fatores deram origem a uma melhoria de produção e ao alargamento do quadro de pessoal.

img6

Gerador de Vapor Aquo-Tubular Babcock&Wilcox

O sucesso do século XX é palpável através dos dados do jornal A Plebe. Em 1901 noticiou que Portalegre exportava para fora do concelho cem mil toneladas de rolhas e trezentas toneladas de cortiça em prancha, rapada e cozida, bens produzidos quase exclusivamente pela Robinson.

O outro fator decisivo na evolução e modificação produtiva da fábrica foram os dois períodos de guerra que emergiram na Europa no século XX. No período pós-guerra era necessário revitalizar os inúmeros países que ficaram devastados. Os responsáveis pelo negócio não deixaram passar esta oportunidade.

img7

Operários fazem a seleção de rolhas – 1944

img8

Aglomerado Branco – 1944

img9

Aglomerado Branco – 1944

Primeiro em 1920, pós primeira guerra mundial, ainda sobre o comando de George Wheelhouse Robinson, a atividade da fábrica expande-se para a área dos aglomerados para revestimentos, produtos mais focados para a construção civil. Constroem-se os primeiros fornos para cozimento dos aglomerados de cortiça, na área onde ainda hoje está instalado o Aglomerado Branco. É adquirida uma nova Caldeira Aquo-Tubular de Vapor, da Babcock&Wilcox. Durante esta década são empregados mais de mil trabalhadores e a marca Robinson afirma-se como uma potência industrial.

img10

Espaço Robinson – 1944

Posteriormente, em 1948, pós Segunda Guerra Mundial, já sobre o comando de investidores portugueses, inicia-se a produção do aglomerado puro de cortiça, vulgo aglomerado negro. Para tal, foram instaladas 12 autoclaves, uma linha completa de serras para dimensionamento do produto e uma bomba a vapor que fazia os acionamentos dos autoclaves.

img11

Placas de cortiça

img12

Autoclave

img13

Robinson – 2017

O Futuro
“Era a minha família, a minha vida”. Foram estas as palavras usadas por João Antunes para descrever a fábrica Robinson, local onde trabalhou durante toda a sua vida. O ex-funcionário fez também parte do corpo de bombeiros da fábrica, e comenta com tristeza a situação atual do estabelecimento – “é uma sombra daquilo que era”.

O sentimento do Sr. Antunes espelha as opiniões dos antigos operários. O encerramento em 2009 pode ter posto fim à produção, mas querem ver o espaço receber o respeito que merece.

É com esse objetivo que existe a “fundação Robinson”, sedeada em Portalegre, uma “fundação pública de direito privado que tem por fim a prossecução de ações de ordem cultural, educativa, social e da ciência”. A organização já realizou inúmeras atividades didáticas para dar a conhecer a história da Robinson e dos seus trabalhadores à região. Ainda assim, o espaço físico da fábrica encontra-se em pleno abandono, sendo inclusivamente usado para a obtenção de cobre e outros materiais por parte de indivíduos mal-intencionados.

Uma mudança é necessária para trazer ao espaço o orgulho e prestígio do passado e há alguns sinais de esperança. No passado mês de abril de 2016 o partido Os Verdes chamou a atenção para este assunto junto do Presidente da República. Embora muito ténue, este tipo de ações são um bom ponto de partida para o rejuvenescimento do espaço Robinson.

img14

Publicidade à Sociedade Corticeira Robinson Bros. Lda.

Posted in Grande Reportagem and tagged , , , , , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *