Hell or High Water, um Western moderno

Imagem

Estreou no Festival de Cannes em maio passado e chegou recentemente às salas de cinema portuguesas. Hell or High Water, protagonizado por Jeff Bridges, Chris Pine e Ben Foster, é o novo trabalho de David Mackenzie, um western dos tempos modernos que promete ser um dos melhores filmes de 2016.

Pode-se dizer que é uma narrativa que se desenvolve a dois ritmos. Temos situações verdadeiramente emocionantes, repletas de ação, e outras algo paradas, cuja monotonia é deliberada pensada para o desenvolvimento das personagens e para a exposição daquilo que está por trás das suas idiossincrasias. Aliás, os protagonistas acabam por ser o verdadeiro motor desta história. Divididos em grupos muito distintos (um de polícias e outro de ladrões), o contraste entre cada um deles acaba por influenciar positivamente o decorrer do filme rumo ao seu clímax.

Imagem1

Temos, no grupo dos ladrões, Tanner e Toby Howard (Foster e Pine, respetivamente), que assaltam bancos da Texas Midlands para poder pagar uma hipoteca em dívida da sua falecida mãe. Enquanto Tanner é excêntrico, insano e movido pela adrenalina do crime, o seu irmão Toby é uma pessoa mais racional, astuta e contida, mas fortemente motivado por uma força maior que o leva a quebrar a lei. Uma força paternal e de arrependimento, que vos será melhor explicada se virem o filme. Não é para dar spoilers que escrevo esta crítica.

No lado oposto, o grupo dos polícias (ou Rangers, para seguir corretamente a nomenclatura texana). Marcus Hamilton (Bridges) está prestes a reformar-se e tem como última missão deter os irmãos delinquentes. Viúvo, irreverente e destemido, nutre um instinto impressionante e uma convicção cega que acaba por muitas vezes deixar o seu parceiro Alberto Parker (Gil Birmingham) à beira da loucura. Parker, apesar da sua admiração por Hamilton, nem sempre concorda com as suas opções, por ser um indivíduo racional e humilde, nunca saindo das margens da lei.

Imagem2

Esta dualidade de personagens facilita a empatia com as mesmas e a compreensão dos seus papéis a cumprir no filme. Consegue demonstrar que duas personagens incrivelmente opostas se conseguem unir de forma a complementarem qualidades e fraquezas, salientando um espírito de camaradagem entre os mais distintos indivíduos. Toda esta construção de personagens edifica um sentido para a narrativa, engrandecendo-a, para além de conferir um lado mais humano e realista aos acontecimentos. É ficção, claro, mas as situações retratadas em Hell or High Water são passíveis de acontecer na vida real. Mais uma vez, vejam o filme. Vão perceber porque digo isto.

Imagem3

Apesar do simples enredo, não deixa de haver mistério no ar. Não há momento algum, senão já perto da conclusão, em que os nossos “polícias e ladrões” se cruzam, uma grande tática que deixa o espectador em pulgas a tentar antecipar possíveis cenários. Não há quaisquer indícios de pistas que apontem para um óbvio desenlace das várias cenas e do próprio filme. Até mesmo quando parece que existem somente dois rumos a seguir, eis que surge um terceiro vindo do nada que consegue manter a espetacularidade imprevisível da narrativa intacta.

Taylor Sheridan, responsável pelo argumento, e David Mackenzie trabalham bem o fator surpresa, ainda que, como já referi, possa haver momentos onde o fluxo da narrativa é mais lento. Mas, devido ao excelente trabalho do elenco, as interações entre os protagonistas não nos deixam com sono e a bocejar. Os diálogos estão adornados de informação primordial que nos ajuda a compreender a história, e a sua composição escrita providencia-os de naturalidade. Isto torna-os muito mais credíveis e um elemento essencial no decurso dos cerca de cem minutos de ação.

Imagem4

Muito aclamado pela crítica, Hell or High Water ganha mérito pelas performances de Jeff Bridges e Ben Foster e pela forma como foram concebidas as personagens. O contraste entre protagonistas enriquece um enredo simples cujo objetivo principal não é fechar a narrativa, mas sim deixar a cargo da imaginação da audiência aquilo que pode ser a sua conclusão. Dentro deste género, não se fazia algo tão bom desde Este País Não é Para Velhos. E porque não é demais relembrar: vejam o filme.

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

SNS e o suicídio

Não saber que o Sistema Nacional de Saúde é lento é como não saber que data é 1143: é sinal de que não se é

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *