Quem nunca viu Sr. Lisboa nunca viu coisa boa

Em setembro do ano passado, três amigos que tinham em mente iniciar um novo projeto gastronómico passeavam pela Rua de São José (uma paralela à Avenida da Liberdade) e cruzaram-se com o espaço que ocupava o número 134. Depois de serem desafiados pelo antigo proprietário, acabaram por ficar encarregues do espaço que iria vir a ser mais tarde, em janeiro, o Sr. Lisboa.

Mas esta história começou antes. Francisco Melo Breyner, Miguel Sardinha e José Maria Trigoso, por irem muitas vezes a Espanha, ficaram fãs dos hábitos que se tinha “à mesa” neste país, como a partilha de comida entre amigos e todo o ambiente criado à volta disso. Inspirados nos hábitos espanhóis, trouxeram então para Portugal a partilha entre amigos, ambiente jovem e descontraído, que por sua vez é propicio à conversa, aproveitando também a diversidade da gastronomia portuguesa. Foi assim que surgiu este espaço, para juntar amigos, partilhar comida, conversar e celebrar a amizade.

Aqui, não há a palavra tapas – palavra usada em Espanha quando se refere a este tipo de comida: o termo correto é pesticos. No Sr. Lisboa há pratos portugueses com um twist diferente, a que estamos pouco habituados. Pegaram em pratos considerados pesados que Pedro Sousa, responsável pela cozinha, transformou em petiscos deliciosos. Exemplo disso são os famosos croquetes de bacalhau à Brás da casa. Sim, é possível, existem e são excelentes.  Estes croquetes vêm servidos com molho maionese pulverizado com azeitona preta desidratada e são uma experiência gastronómica única a experimentar na cidade.

Mas antes de começar a peticar a sério, uma entrada obrigatória é o molho à bolhão pato, manteiga de erva e alho e pão de Mafra. Este courvet bastante português é improvável mas  faz todo o sentido existir. Todos nós gostamos de molhar o pão no molho das ameijoas, certo? O Sr. Lisboa saltou a parte das ameijoas e dispõe desta combinação especial como entrada, antes de começar a petiscar.

De volta aos petiscos, os deliciosos croquetes de alheira com molho feito pela casa são também obrigatórios. Com uma apresentação no prato ótima, este petisco é uma excelente opção para quem gosta de alheira mas não de ficar extremamente cheio.

Outra sugestão é o atum braseado com batata doce, coberto de um molho especial feito pela casa. Este é provavelmente um dos pratos mais diferentes e originais, com um sabor marcante que se encontra nesta cidade.

Para acompanhar a petiscada, sugerimos os sumos naturais, feitos no dia. O sumo de laranja e maçã, que se encontra na imagem abaixo, estava delicioso.

Ao almoço, há também menus de almoço disponíveis. Em termos de exemplo, o menu do dia 14 de março era composto por sopa de batata doce, lombo de porco recheado com puré de batata; como sobremesa uma fatia de bolo de laranja com fio de caramelo salgado e amêndoa, sumo e café.

Mas as opções não ficam por aqui. Há também a possibilidade de “petiscar” um bife: o bitoque com carne da vazia dos Açores, que é servido com dois ovos, tem o intuito de ser partilhado por duas pessoas.

Este espaço é também visitado por muitos estrangeiros, que ficam surpreendidos com o espaço. Mesmo estando localizado numa rua pouco movimentada, vários turistas que estão alojados em casas do airbnb na zona, ao passar pelo restaurante, sentem curiosidade e entram no espaço para o conhecer e experimentar.

Qualquer pessoa que entre aqui sente-se automaticamente em casa. Isto porquê? Porque está literalmente numa casa. Explicando melhor, o objetivo do espaço é definitivamente fazer os clientes sentirem-se confortáveis, tal e qual como se estivessem na sua própria casa. A maneira escolhida para criar esse tipo de sentimento foi decorar o espaço de refeições com elementos de uma divisão de uma casa, neste caso, uma cozinha. Vários pormenores, como o facto de nas mesas, debaixo de um vidro, estarem bicos de fogão e de a própria sangria ser servida num tacho contribuiem para criar um ambiente de uma cozinha.

Curiosidade: os novos donos aproveitaram a mobília que estava no espaço anterior, como as mesas.

Ideal para: pôr a conversa em dia com amigos antigos

Morada: Rua de São José, n134

Horário de funcionamento: Seg a Sex – 12h00 a 23h00; Sáb – 19h00 a 24h00. Encerra ao Domingo

Facebook: https://www.facebook.com/Sr-Lisboa-1535070439855489/

Posted in Capital and tagged , , .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *