8 diferenças entre o Mundo Sombrio de Sabrina e a Aprendiz de Feiticeira

Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira é um ícone para os adolescentes dos anos 90. A jovem bruxa, apaixonada por rosa e glitter, fez furor pelo mundo fora e conquistou seguidores em todo o mundo durante os sete anos em que esteve no ar (1996-2003). 

Em 2014, a Netflix lançou O Mundo Sombrio de Sabrina.A narrativa conta a história de Sabrina Spellman, uma jovem bruxa mestiça que é obrigada a escolher entre viver para sempre como feiticeira ou afastar-se da família, para permanecer no mundo dos humanos.

Para quem estava à espera de uma releitura com pequenas modificações de Sabrina, Aprendiz de Feiticeira (1996-2003), O Mundo Sombrio de Sabrina poderá chocar. Não se trata de uma readaptação, mas de uma história completamente nova: mais obscura, gótica, atual e com muito poder feminino. Mas, afinal, quais são as principais diferenças entre as duas séries?

  1. A origem da série

Apesar de ambas as séries terem sido inspiradas na banda desenhada da Archie Comics, as suas origens são bastantes diferentes. O Mundo Sombrio de Sabrina é uma adaptação da HQ homónima de 2014 criada por Roberto Aguirre-Sacasa. Sabrina, Aprendiz de Feiticeira adveio de uma banda desenhada bem mais antiga. Esta Sabrina foi criada por George Gladir e Dan DeCarlo e apareceu primeiro em 1962, na HQ Archie’s Madhouse. Só em 1971 a personagem ganhou a sua própria HQ intitulada Sabrina, Aprendiz de Feiticeira.

2. História

Fonte: The Wrap

A principal mudança na história entre as duas séries tem que ver com o conhecimento de Sabrina sobre o seu poder.

Em Sabrina, Aprendiz de Feiticeira, a protagonista desconhece que é bruxa até ao seu 16º aniversário – no início nem ela acredita que tudo o que está a acontecer é real. Na “nova Sabrina”, ela sabe desde sempre é bruxa, mas, no seu 16º aniversário, tem de escolher entre os dois mundos em que vive.

3. Atores

Fonte: Antena 3

Com a chegada de uma nova série, as personagens mantêm-se, mas os atores mudam. Enquanto em Sabrina, aprendiz de feiticeira o papel de protagonista estava a cargo de Melissa Joan Hart, desta vez é Kiernan Shipka que a interpreta. Miranda Otto interpreta a tia Zelda, em vez de Beth Broderick, e Lucy Davis interpreta tia Hilda, em vez de Caroline Rhea.  Ross Lynch assume o papel do mortal Harvey Kinkle, o papel que Nate Richert já desempenhou. 

Em O mundo sombrio de Sabrina também são apresentadas algumas novas personagens, incluindo Ambrose, o primo de Sabrina, interpretado por Chance Perdomo.

4. Personagens

Nesta nova série as tias ganham uma aura mais sombria. Harvey continua a ser o namorado humano, mas nesta história é aprofundado o lado mais sombrio da personagem. Algumas alterações foram feitas para que este lado sombrio pudesse ser realçado. Daí nascem algumas particularidades, como a profissão das tias, o coven da Igreja da Noite, o batismo negro, algumas oferendas (como comer carne humana), as “Irmãs estranhas”, o padre Blackwood e a história sobre as famílias de Harvey e Roz.

5. Empoderamento Feminino

Fonte: CinemaBlend

O Poder Feminino está em destaque n’O mundo sombrio de Sabrina, algo que não é tão reconhecido em Sabrina, a Jovem Bruxa.

Na série mais recente, a protagonista, jovem indefesa que não consegue tomar as suas próprias decisões, passa a ser teimosa, segura de si e com um senso de justiça que a faz lutar por aqueles que ama. Nesta nova série, esta emancipação não se encontra só na protagonista, mas também noutras personagens.

Mary Wardwell/Madan Satan carateriza-se pela crítica constante ao machismo. Esta personagem chega a revelar que o diabo nunca conferiria poderes plenos e absolutos às mulheres, já que, por serem do sexo feminino, são superiores e, portanto, superariam o mestre. Todas as demais rivais de Sabrina também são mulheres, demonstrando a força que o sexo feminino tem na comunidade mágica. O próprio Sacerdote Blackwood, que, junto com o Diabo, protagoniza as poucas figuras fortes masculinas da série, por diversas vezes é enganado pela perspicácia das mulheres.

6. Background dos pais

Fonte: Fanpop

Em O Mundo sombrio de Sabrina, percebemos que Sabrina é uma bruxa mestiça, filha de uma mãe mortal e de um pai bruxo, influente na Igreja da Noite. Entretanto, ambos morreram num acidente de avião quando a jovem era uma criança. Devido à morte precoce dos seus pais, os cuidados para com a menina ficaram a cargo das tias paternas Zelda e Hilda. Já em A Aprendiz de Feiticeira, a história dos pais de Sabrina é um pouco diferente. Tanto o seu pai (bruxo) como a sua mãe (mortal) estão vivos – porém, divorciados. Enquanto Edward habita o livro de feitiços da jovem bruxa, Sabrina está proibida de manter contato com a sua mãe. Caso contrário, a mãe da adolescente transformar-se-ia num molde de cera.

7. Salém

Fonte: Sopitas

Aqui, há outra grande diferença entre as duas séries. Em Sabrina, A Aprendiz de Feiticeira, Salém é um sarcástico e espirituoso gato, que aconselha Sabrina e a acompanha em suas aventuras. Na verdade, o animal era um feiticeiro que foi aprisionado no corpo de um gato como punição por se ter envolvido num atentado terrorista com a finalidade de dominar o mundo (na série mais atual, este passado pertence a Ambrose).

Em O Mundo Sombrio de Sabrina, o único momento em que Salém fala é antes de tomar a sua forma felina, quando se apresenta a Sabrina. Mesmo não possuindo falas, Salém é uma boa companhia, e ajuda Sabrina nalguns momentos relevantes na história.

8. Tom

Fonte: Insider

Assim como a maioria das séries do final dos anos 90 Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira era uma série alegre e despretensiosa. Sem grandes preocupações com a história, a série era uma comédia, com um tom colorido, que retratava a vida de uma jovem de 16 anos que descobre que é metade bruxa. A maior parte dos episódios era independente entre si e servia apenas com o propósito de divertir e entreter.

As tias de Sabrina cumpriam o papel destinado às fadas-madrinha dos filmes da Disney. Não havia conflitos, e os poderes de Sabrina não eram direcionados ao satanismo.

Já O Mundo Sombrio de Sabrina é uma série que não tem medo de ousar. A série conjuga o satanismo e o ocultismo, mostrando o ambiente de adoração satânico envolto no universo das bruxas. Aqui, os feitiços não envolvem mais purpurina ou unicórnios, mas são instrumentos de adoração do Diabo.

Artigo revisto por Mónica Harris

Artigos recentes

Deve o humor ter limites?

Assistimos hoje ao contrassenso conflituoso entre a liberdade de expressão e a hegemonia do politicamente correto. Se, por um lado, somos ativistas do “sê quem

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *