Aberto inquérito devido ao depoimento que liga Bolsonaro aos autores da morte de Marielle Franco

O suspeito do homicídio de Marielle Franco esteve no condomínio de Bolsonaro no dia do crime. O presidente do Brasil negou estar envolvido depois de ver o seu nome incluído na investigação.

Fonte: UOL

            O depoimento do porteiro do condomínio onde morava, na altura, o Presidente, realizou um depoimento que é agora investigado. A Globo noticiou que um dos suspeitos do assassínio de Marielle esteve no condomínio, o que originou um pedido de abertura de inquérito e colocou o nome Bolsonaro na investigação. Este foi enviado pelo ministro da Justiça do Brasil, Sergio Moro, ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

            À polícia, o porteiro contou que, horas antes do crime, Élcio de Queiroz, suspeito de ter conduzido o carro utilizado durante o crime, entrou no condomínio e afirmou que ia para casa de Bolsonaro, sendo que o seu nome está registado no livro de entradas. Pediu para ligar ao Presidente para poder entrar e este autorizou. O porteiro alega ter visto Élcio de Queiroz dirigir-se ao apartamento de Ronnie Lessa, que mora no mesmo condomínio, e é suspeito de ser o autor dos disparos que mataram Marielle Franco e o seu motorista, Anderson Gomes. Ambos os suspeitos são antigos polícias militares ligados a milícias armadas. Finaliza relatando que fez uma segunda chamada ao Presidente, em que relatou que o visitante se dirigia a um apartamento diferente. Jair consentiu.

Imagem retirada do direto de Jair Bolsonaro no Facebook.
Fonte: poder360.

Ao saber que o seu nome constava na investigação, Bolsonaro, que se encontra de viagem pela Arábia Saudita, iniciou um direto no Facebook, onde disse que “Ou o porteiro mentiu, ou induziram o porteiro a conduzir um falso testemunho, ou escreveram algo no inquérito que o porteiro não leu e assinou em baixo em confiança no delegado ou naquele que o foi ouvir na portaria”. Bolsonaro requisitou a Moro um novo depoimento por parte do porteiro: “Estou conversando com o ministro da Justiça, [para ver] o que pode ser feito para a polícia pegar o depoimento novamente”.

            No dia do crime, a 14 de março de 2018, Bolsonaro não estava no Rio de Janeiro, segundo mostram as suas impressões digitais registadas na Câmara dos Deputados em Brasília. A entrada do seu nome na investigação cria limitações ao Ministério Público, uma vez que tem imunidade e apenas altas instâncias judiciais o podem investigar.            

            As culpas continuam por atribuir, pois ainda não se descobriram os autores do crime nem quem ordenou as mortes.

Revisto por Miguel Bravo Morais

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *