Amor Garantido: O Romance dos Tempos Modernos

Fonte: Netflix/Divulgação

E como comédias românticas nunca são demais, a Netflix decidiu reforçar a sua oferta no que a lamechices diz respeito. ‘Amor Garantido’ (ou ‘Love Guaranteed’) estreou dia 3 de setembro e rapidamente conquistou um lugar no top10 de filmes mais vistos da versão portuguesa da plataforma de streaming. O trailer é um bom passo inicial.

            Susan Whitaker e Nick Evans são os pombinhos. Retratados por Rachael Leigh Cook (40) e Damon Wayans Jr (37), têm química instantânea. Susan é uma advogada cível cujo objetivo de vida é ajudar os fracos, algo que lhe ocupa tanto o coração como a cabeça. Por esta razão, é solteira, vive sozinha e a sua última história de amor decorreu nos tempos do ensino secundário. Sem tempo nem interesse para conhecer pessoas novas, refugia-se na carreira. Já Nick faz exatamente o oposto.

            O fisioterapeuta altruísta tem um recorde bastante invulgar: em dois anos, teve 986 encontros amorosos. Sim, leram bem. Novecentos e oitenta e seis. Para cada dia, marcava um ao pequeno-almoço, outro ao almoço e outro ao jantar. Falta de ter o que fazer? Talvez. Mas, acima de tudo, meios para atingir um fim. Nick enveredou por uma cruzada de encontros quando, ao fim de uns tantos, se apercebeu de que estava a ser vítima de fraude.

            Procurou o segredo para encontrar o amor no site Love Guaranteed, que, no ato da inscrição, lhe foi garantido. Por cerca de 30 dólares mensais. Um preço ridículo a pagar ou um investimento? Depende da perspetiva. Para Nick, foi um embuste. Quando, encontro após encontro, a busca pela sua alma gémea perdurava, começou a perder a fé. Contudo, o site (uma espécie de Tinder, Bumble ou Grindr) apresentava uma cláusula interessante: se, ao fim de 1000 encontros, a sua fórmula não desse frutos, reconheceriam que algo estava errado.

            Nick abriu os cordões à bolsa e fez numerosas reservas para atingir o tal limite. Almejando processar a Love Guaranteed, iniciou uma busca pela justiça. Durante a mesma, foram-lhe recomendados os serviços de Susan. E foi assim, de justiceiro para justiceira, que se conheceram. Iriam, juntos, colocar um fim na exploração, por parte do site, dos seus utilizadores, quando prometiam algo que não conseguiam cumprir. Pelo menos no caso deste pobre coitado (que de pobre não tem nada, tendo em conta a quantidade de encontros).

Rachael Leigh Cook e Damon Wayans Jr protagonizam Amor Garantido enquanto Susan Whitaker e Nick Evans. Fonte: Netflix/Divulgação

É este o enredo do filme. Eventualmente, como em qualquer comédia romântica, acabam por desenvolver sentimentos um pelo outro. Também o elemento ‘comédia’ está bastante presente nesta película. Por vezes, não passam de tentativas falhadas, quer através de piadas gastas, quer através de figuras tristes. Em ‘Amor Garantido’, os nossos risos são sinceros.

            As personagens – em grande parte cómicas e amorosas – contribuem imenso para tal. Os funcionários da firma de Susan – Denise e Roberto – roubam a cena sempre que aparecem. São obra de Lisa Durupt e Sean Amsing. No elenco contamos ainda com nomes como Brendan Taylor, Caitlin Howden, Heather Graham, Jed Rees e Kandyse McClure.

            A premissa, em si, é engraçada. Um site de encontros – criado por uma guru de lifestyle que enriqueceu à sua custa – que garante um final feliz a quem dele se servir. Apesar de previsível, é hora e meia, a meu ver, bem gasta, para quem aprecia este género cinéfilo. Realizado por Mark Steven Johnson e escrito por Elizabeth Hackett e Hilary Galanoy (com a ajuda da protagonista), é inspirado em factos reais, o que ainda o torna mais interessante.

Neste caso, não se tratou de um processo a uma empresa de encontros e sim a uma marca de cervejas. A Coors Light foi processada por um indivíduo por não produzir a sua água através das fontes das Montanhas Rochosas, mas usar imagens das mesmas nos seus anúncios. Foi neste caso que se inspiraram para o filme, tal como nas experiências pessoais de Rachael Leigh Cook no que a encontros diz respeito.

            Um dos aspetos mais irrealistas desta produção da Netflix é o seu final. Expectável tendo em conta o género, mas completamente fora de questão se da vida real se tratasse. Ainda assim, supera várias das mais recentes comédias românticas do gigante do streaming.

Artigo revisto por Ana Rita Sebastião

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *