Anatomia de Grey: um clássico que não podes perder

AProvavelmente, já ouviste falar de Anatomia de Grey, a série que acompanha as vidas dos médicos do hospital Seattle Grace, desde 2005. Se ainda não viste, é melhor começares. Não é por acaso que a Anatomia de Grey é a série médica mais longa da televisão norte-americana, com mais de 300 episódios.

A história começa com um cliché: a personagem principal, Meredith Grey, interpretada por Ellen Pompeo, conhece Derek Shepherd, interpretado por Patrick Dempsey, num bar, na noite antes do seu primeiro dia como interna no Seatle Grace, e dormem juntos. No dia seguinte, ela descobre que o homem com quem dormiu é o seu attending (um dos seus chefes – se começarem a ver, depressa vão perceber estas terminologias). Daí resulta um amor “impossível”, por razões que transcendem os cargos que os dois ocupam no hospital.

Uma imagem com pessoa, homem, exterior, vestuário

Descrição gerada com confiança muito alta
Fonte: Observador

O que torna esta série tão viciante é o facto de haver sempre dois lados em cada episódio, que acabam por estar interligados: os dilemas da vida pessoal dos médicos e as histórias emocionantes, engraçadas e tristes, por vezes muito tristes, dos pacientes. Normalmente, a história de cada paciente é explorada ao longo de um só episódio, mas por vezes prolonga-se por vários, fazendo com que nos afeiçoemos àquelas personagens, o que pode resultar num desgosto.

No entanto, o mais cativante na série é o elenco. A série vai explorando os problemas, as tristezas e as alegrias das personagens da forma mais subtil à mais profunda. Isto acontece não só com as vidas (nada aborrecidas) do elenco original, mas também com as vidas das novas personagens que nos são apresentadas temporada após temporada. E o melhor é que estas novas personagens não são renegadas para segundo plano. A série foca-se nas suas vidas e na sua evolução da mesma forma que o faz com as restantes, fazendo com que nos apaixonemos por elas tanto ou mais como nos apaixonámos pelo elenco da primeira temporada.

Uma imagem com pessoa, interior, grupo, em pé

Descrição gerada com confiança muito alta
Fonte: Dailymotion

Apesar de a série estar a meio da 15º da temporada, a verdade é que não cai em rotina. Dos momentos mais tristes aos mais divertidos, Anatomia de Grey não para de nos surpreender, episódio atrás de episódio. Há casamentos, tiroteios e cirurgias realizadas no elevador do hospital. A vida destes médicos é tudo menos monótona. É claro que há episódios que nos partem o coração e há personagens de quem temos de nos despedir (a muito custo), mas a história é tão envolvente e emocionante que acaba por compensar até os momentos mais tristes.

No fundo, posso dizer-te que a Anatomia de Grey é uma série que vale mesmo a pena ver. E se achas que não tens tempo para ver tantos episódios, não te preocupes. A FoxLife está a repeti-la do início. São só dois episódios por dia, de segunda a sexta. Perfeito para te abstraíres de todos os trabalhos que tens para fazer!

Artigo revisto por Catarina Gramaço

Artigos recentes

Deve o humor ter limites?

Assistimos hoje ao contrassenso conflituoso entre a liberdade de expressão e a hegemonia do politicamente correto. Se, por um lado, somos ativistas do “sê quem

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *