• Opinião

    A 4 Mãos: Cobertura jornalística? Só quando convém!

    Uma rubrica de Opinião escrita a quatro mãos por Maria Moreira Rato e Marcos Melo Maria Moreira Rato (MMR): Na semana passada, Portugal viveu dois atentados à liberdade de imprensa. O primeiro na política e o segundo no desporto. Creio que não é muito difícil adivinhar a proveniência deste desrespeito pela comunicação e, sobretudo, pelos jornalistas: o 37.º Congresso do PSD e a Assembleia Geral do SCP. No Centro de Congressos de Lisboa, assistiu-se a agressões a fotojornalistas, à seleção dos órgãos de comunicação que podem (ou não) privar com o atual e antigos líderes do partido, e determinados profissionais foram impedidos de fotografar alguns momentos marcantes. No Pavilhão João…

  • Opinião

    A 4 Mãos: Palavra-chave: reformar

    Uma rubrica de Opinião escrita a quatro mãos por Maria Moreira Rato e Marcos Melo Marcos Melo (MM): A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) apresentou, há dias, as conclusões de um estudo, encomendado pelo Governo, que se debruçou sobre o estado da arte do Ensino Superior e da Ciência portugueses. É de sublinhar que a última avaliação deste tipo aconteceu há uma década. Dessa resultou o RJIES (Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior), documento que regula, até hoje, a atuação das Universidades e dos Politécnicos. A avaliação, levada, agora, a cabo pela OCDE, apresenta algumas conclusões, das quais destaco: Até 2030, o país deverá duplicar o…

  • Opinião

    A 4 Mãos: Liberdade de importunar!?

    Uma rubrica de Opinião escrita a quatro mãos por Maria Moreira Rato e Marcos Melo Maria Moreira Rato (MMR): Nos últimos dias, ouve-se falar na famosa “carta da atriz Catherine Deneuve”. Antes de mais, há algo que tem de ser esclarecido: a carta foi assinada por outras 99 personalidades, como a escritora Catherine Millet ou a cineasta Brigitte Sy. Posto isto, creio que é necessário evocar as frases mais marcantes do dito documento, que surgiu em jeito de resposta ao movimento #MeToo, popularizado na imprensa e nas redes sociais através da denúncia de indivíduos que tenham praticado crimes de foro sexual: “Os homens têm sido punidos, forçados a sair dos…

  • Opinião

    A 4 Mãos: O que fica de 2017?

        Marcos Melo (MM): 2017 está a dar as últimas. 2018 esgueira-se, ao virar da esquina. Foram doze meses recheados de acontecimentos — uns mais mediáticos e outros mais discretos. Nestas lides dos media, é um habitué fazer-se a revista do ano. Por razões compreensíveis, todos os órgãos de comunicação social debruçam-se sobre os mesmos assuntos — e, provavelmente, nós fá-lo-emos, também. Neste artigo, proponho respondermos à pergunta: quando pensas em 2017, de que te recordas? Contudo, não somos obrigados a mencionar o óbvio (podemos ou não fazê-lo).  Assim sendo: Maria, sob o teu olhar, o que marcou 2017?   Maria Moreira Rato (MMR): O acontecimento que surge na…

  • Opinião

    A 4 Mãos: Vamos de táxi ou Uber?

     Maria Moreira Rato (MMR): Quem é que ainda não ouviu falar da Uber? Com o slogan “O seu motorista particular”, designa-se como uma empresa que oferece uma alternativa “ao táxi tradicional”.  Antes de mais, devemos tentar entender se é uma plataforma eletrónica que promove o deslocamento das pessoas ou se é uma empresa de transportes. À Visão, em outubro de 2016, Rui Bento, diretor-geral da empresa em Portugal, afirmou: “limitamo-nos a prestar um serviço a operadores de mobilidade licenciados, sejam empresas com uma frota de carros e um conjunto de motoristas, seja um empresário em nome individual”.  Ora bem, gera-se uma questão complexa: se a ANTRAL (Associação Nacional dos Transportadores…

  • Opinião

    A 4 Mãos: Enquanto a torneira não se fechar, ‘tá-se bem

    Marcos Melo (MM): Portugal está em seca e a água escasseia. O cenário é dramático. Segundo dados do IPMA de 15 de novembro, 6% do território continental encontra-se em seca severa e 94% em seca extrema. A falta de chuva resulta em falta de água, uma realidade inquietante que, nas palavras do presidente da Câmara Municipal de Mértola, se traduz num estado de calamidade. Em entrevista ao Telejornal da RTP, o Ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse que “os portugueses [só ainda] não se aperceberam [das consequências da seca] porque a água está nas torneiras”. É uma afirmação um tanto ou quanto polémica, mas certeira. Enquanto a água continuar a…

  • Opinião

    A 4 Mãos: Barrigas alugam-se

      Maria Moreira Rato (MMR): Esta semana, as barrigas de aluguer estão a dar que falar. Aquele que é conhecido por ser um acordo entre uma mulher que aceita engravidar para dar à luz um bebé que pode ou não ser seu filho biológico, mas que não será criado por si, ainda não tinha visto a luz do dia em Portugal… até à passada terça-feira. O que aconteceu foi o seguinte: a Ordem dos Médicos demonstrou uma posição favorável perante o pedido de gestação de uma avó que pretende gerar o filho da sua filha, portanto, o neto (na medida em que a filha retirou o útero). Eurico Reis, presidente…

  • Opinião,  Sem Categoria

    A 4 Mãos: Carrilho versus Bárbara – o legitimar da violência doméstica?

    Marcos Melo (MM): Manuel Maria Carrilho, antigo Ministro da Cultura nos XIII e XIV Governos Constitucionais, ambos encabeçados por António Guterres, foi condenado a uma pena de prisão de quatro anos e meio pelos crimes cometidos contra a ex-mulher, Bárbara Guimarães, apresentadora de televisão. Violência doméstica, ameaças, ofensas à integridade física, injúrias e denúncia caluniosa foram os crimes julgados em tribunal, no passado dia 31 de Outubro. Contudo, falta referir um pormenor que faz toda a diferença: a pena foi suspensa, que é como quem diz: és culpado, levas um puxão-de-orelhas, mas podes sair em liberdade. Maria, o que tens a dizer acerca deste veredito?   Maria Moreira Rato (MMR):…

  • Opinião

    A 4 Mãos: Adultério no casamento ou na justiça?

      Maria Moreira Rato (MMR): “O adultério de uma mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade de um homem.” — acreditas que esta frase consta num acórdão do Tribunal da Relação do Porto?   Marcos Melo (MM): O caso é insólito. O que, à partida, parece uma piada de mau gosto (não vivêssemos nós na era das fake news), é, de facto, um episódio verídico protagonizado pela Justiça Portuguesa, e materializado, para a posteridade, por este caricato Acórdão do Tribunal da Relação do Porto. É inadmissível que um juiz, a quem compete o escrupuloso cumprimento da Constituição Portuguesa, se guie por ideais machistas, misóginos e outros que tal.…

  • Opinião

    A pedagogia dos anónimos

    A guerra está declarada. O campo de batalha são as redes sociais. Um frente-a-frente: de um lado, os jornalistas; do outro, os anónimos por detrás de páginas de denúncia. Acusações e escrutínio são as armas de arremesso. Nos últimos tempos, temos assistido ao surgimento de páginas cuja missão passa por desconstruir e analisar as publicações dos media portugueses. A página “Os truques da imprensa portuguesa” é o caso mais paradigmático. Diariamente, “Os Truques” dão dores de cabeça aos jornalistas – e até coleccionam alguns ódios de estimação. Poder-se-ia dizer que são o arquétipo do inimigo dos jornalistas. Mas há outras páginas: “Anti Clickbait Portugal” é uma delas. Em comum, estes…