Berlim comemora os 30 anos da queda do Muro

A capital alemã celebra, no sábado, 9 de novembro, 30 anos da queda do muro. Berlim é o palco de eventos culturais para recordar os eventos de 1989 e lembrar aqueles que faleceram ao tentar atravessar de um lado para o outro. Vários chefes de Estado da Europa central estarão presentes nas cerimónias.

30 anos após a queda do muro de Berlim, a cidade recebe diversos eventos para recordar esta época da divisão alemã e a revolução que levou ao seu fim. Entre painéis de discussão, concertos, exibições de filmes e leituras, a capital alemã vai recordar o que levou aos acontecimentos de 9 de novembro de 1989.

Os chefes de Estado da Polónia, República Checa, Eslováquia e Hungria estarão presentes nas cerimónias para homenagear os cidadãos que tentaram e morreram a atravessar o muro. A Presidência da Alemanha salientou recentemente “a contribuição dos Estados da Europa central para a revolução pacífica”.

O centro de todas as comemorações será nas Portas de Brandemburgo, símbolo da divisão e, atualmente, símbolo da liberdade.  O espetáculo de abertura fica a cargo de músicos refugiados e não refugiados, e com histórias de vida ligadas ao Muro de Berlim.

Depois do final da II Guerra Mundial, em 1945, a Alemanha ficou nas mãos dos Aliados, Reino Unido, França, Estados Unidos e União Soviética. O controlo da região alemã foi dividido pelos quatro países, com a União Soviética a administrar a zona este e os restantes países a governar a zona oeste. Esta divisão deu origem à República Federal Alemã (RFA) – zona oeste e com modelo capitalista -, e à República Democrática Alemã (RDA) – zona este e com um modelo comunista.

Berlim ficou situada na região este, mas os Aliados dividiram-na em quatro partes, com cada país a governar uma parte, já que se tratava da capital. As diferenças na política e no modo de vida entre ambas as Alemanhas levaram muitas pessoas a fugirem da RDA para a RFA.

Em agosto de 1961, o Muro de Berlim começou a ser construído para impedir a fuga dos cidadãos. A construção aconteceu sem aviso prévio, surpreendendo a população. Os 155 quilómetros do muro rodeavam a zona oeste de Berlim e impedia a passagem de qualquer pessoa da RDA para aí.

Após vários anos de separação, os protestos contra o regime soviético e a fuga de dezenas de pessoas para os países vizinhos da Alemanha tomaram conta da década de 1980. A 9 de novembro de 1989, milhares de pessoas juntaram-se perto do muro, exigindo aos guardas a abertura dos portões. Apesar da população ter conseguido abrir o muro, este só seria verdadeiramente derrubado pelo governo em 1990. A unificação da Alemanha aconteceu a 3 de outubro de 1990.

Artigo revisto por Ana Cardoso

Artigos recentes

Um adeus a Luis Sepúlveda

Um mês depois da sua morte devido à covid-19, Luis é ainda relembrado – com uma história de vida incrível, certamente memorável para muitos. Escritor,

Ler mais »

Problemas maiores, Carlos?

Claro que eu não discordo totalmente do ponto fulcral. Há problemas maiores. Haver pessoas a morrer é pior do que eu não ter conseguido celebrar

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *