Género na Arte – Review

A entrada para a exposição é um curto corredor negro. Idealmente sempre se fomentou na sociedade esta ideia de que depois das trevas vem a luz, de que depois do mal vem o bem, da ignorância o conhecimento. No entanto, essas são muitas das conceções perpetuadas pela sociedade, tal como as de género, identidade sexual, orientação sexual, entre outros. A passagem do corredor negro para um comprido corredor de paredes brancas onde se estendem palavras, salas e luminosidade simboliza muito a transformação que a coletânea de obras pode provocar em muitos dos seus visitantes.

A exposição “Género na Arte. Corpo, Sexualidade, Identidade, Resistência.” traz ao Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado obras de diferentes artistas. Vem assim “iluminar” a nossa perspetiva em temáticas que coabitam connosco desde sempre e cuja voz temos vindo a ampliar, uma vez que compreensão ou conhecimento nem sempre devem ser tomados como categorização e imposição de novos estereótipos e perpetuação dos antigos.

“Rich Clown Fucks Poor Clown”, João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira Foto de Humberto Mouco

A organização das salas permite que haja um percurso delineado. No entanto, há a liberdade de não o seguir, sendo que o início pode ser o meio ou o fim – de qualquer forma, o conteúdo transmitido será igualmente poderoso.

Portugal aborda o género, e muito do que envolve esta realidade que nos é tão “natural”, pelos olhos, palavras e pensamentos de quinze artistas. Obras que causam rutura e empatia, mais do que estranheza. Uma visita a fazer com tempo, dada a dimensão da mesma e a reflexão inerente.

Excerto da curta metragem “A Brief History of Princess X” de Gabriel Abrantes Fonte: Sapo Mag

 A ideia de ascender a um ser livre e a uma sociedade sexualmente consciente foi algo que me fascinou. Admito que uma visita para apenas registar imagens para as redes sociais não permite reter nem 5% do que esta exposição tem para oferecer. O conteúdo varia – há registos, instalações, fotografia, serigrafias, escultura, curtas –, o que torna a experiência, num todo, bastante enriquecedora, contando com muitos trabalhos reconhecidos nacional e  internacionalmente.

De todos para todos. Uma exposição que nos “toca” a todos desde o dia em que nem sequer existimos e os nossos pais já projetam quantos filhos querem ter e se querem menino ou menina.

Até dia 11 de Março. Entradas gratuitas aos domingos até às 14h.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *