Há livros que não nos cabem nas mãos – 4,3,2,1

Olá. Prometo que despacho a análise intelectual que se espera de um “crítico” quando se aprecia uma obra de arte – que é o que este livro é e ponto final.

Fonte: http://www.indielovers.es/regresa-el-mundo-literario-de-paul-auster-con-4321/

Vamos então a isto: Paul Auster, mais do que compreender o engenho da narrativa, a dinâmica intricada dos recursos estilísticos, ou mesmo a mecânica singular de conceber personagens impares, ele compreende sim a quase inaudível melodia da vida; e, embora não a partilhe em pauta, a música da linguagem invade os quartos de quem ousa abrir o livro e permite-se apenas escutar.

Pronto. Está despachado. Agora vamos ao que realmente importa.

Estupidamente incrível, meus senhores e minhas senhoras. Sim, é mesmo estupidamente incrível numa forma tão incrível que, sim, chega mesmo a ser estúpido.

Para começar não há nada que o Auster toque que não fique incrivelmente bem escrito. Mas isso já se sabia. O que ficamos a saber é a sua capacidade de não escrever, de utilizar o espaço entre capítulos como um elemento ativo da história que pretende contar. Assim, nesses pequenos espaços sobra apenas um silêncio opressor que é prontamente substituído pela harmonia da linguagem. Sentidos que invadem o quarto, a sala, a vida inteira.

Nesse momento, cada frase lida multiplica-se em 4, e este livro é a eterna resposta a todos os nossos “e se?”. E se tomar esta decisão? E se em vez de ser jornalista tivesse ido para gestão? E se em vez de virar à direita tivesse virado à direita? Quão diferente seria a minha vida, quão diferente seria eu?

No limite, acho que o Auster aborda a já velhinha disputa entre o contexto vs natureza, mas neste caso ele integra tudo. Pois estes Fergusons são simultaneamente o mesmo – na medida em que há raízes da sua essência que se mantêm inalteradas independentemente de tudo – e há exatamente o oposto – em que as circunstâncias são tudo e moldam-nos à sua caprichosa vontade. Uma coisa é certa: ele mostra-nos que a existência só o é realmente depois de o ser. E quão triste é apenas nos ser permitido viver uma.

Fonte: https://www.trend-online.com/al/brexit-meglio-evitare-scelte-affrettate/

Talvez seja isso que mais me marcou, que mais me identificou com a(s) personagem(s). Foi esse sentimento de que a nossa vida é demasiado curta para tantas possibilidades de existência, o que porventura ajuda a explicar o porquê de já ter querido ser ator; pela possibilidade, mesmo que momentânea, de ser outro; de viver mais vidas do que aquela que tinha direito, numa corrida contra o tempo em que não queres apenas ficar em primeiro, mas em todos os lugares da classificação.

E isso também certamente ajudará a explicar a minha paixão pelos livros. E desta não abdico por nada deste mundo.

Um pouco confusos? Não há necessidade, pois a premissa do livro é muito simples: compromete-se a narrar a vida de Archie Ferguson.  Só que este Archie tem um pequeno pormenor: ele é quatro. Ou seja, o livro narra quatro vidas potenciais da mesma pessoa em que pequenos e grandes eventos o(s) levam para caminhos únicos.

E as impressionantes 870 páginas (podendo induzir em erro para quem olha sem conhecer) escondem o facto que podia ter sido perfeitamente o dobro ou o triplo, mas o autor já ficou sete anos sem publicar um livro, até ele já devia estar farto de esperar.

Sim, é grande. Não, não o leiam a menos que o queiram mesmo ler, o que significa mais de dez minutos de cada vez. É preciso mergulhar de cabeça e preparar-se para o impacto. E sim, vale mesmo estupidamente a pena.   

Um homem que definitivamente não é quatro, mas gostava tanto de ser.

Artigo corrigido por Ana Rita Curtinha

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *