Atualidade

Isabel dos Santos é afastada da Sonangol

Na passada quinta-feira, dia 16, o Presidente da República de Angola, João Lourenço, demitiu Isabel dos Santos da Sonangol. Para o lugar da filha do anterior chefe de Estado angolano, foi nomeado Carlos Saturnino para o cargo de presidente do conselho de administração da empresa estatal petrolífera.

Em junho de 2016, Isabel dos Santos, nomeada pelo pai, José Eduardo dos Santos, passou a fazer parte da estrutura administrativa da Sonangol, na qual assegurava a reestruturação da empresa responsável pela gestão e exploração do petróleo e gás natural em Angola.

Em agosto deste ano, um grupo de 12 advogados levou ao Tribunal Constitucional angolano um recurso que contestava a nomeação da empresária para presidente da petrolífera, alegando a «violação de normas constitucionais», nomeadamente o «princípio da igualdade», segundo o qual «ninguém pode ser privilegiado pela sua ascendência ou descendência». O recurso apresentado acabou por ser recusado.

Na passada quarta-feira, o presidente angolano suspendeu também o contrato da empresa Semba Comunicação, que assegura a gestão da Televisão Pública de Angola (TPA) e da qual faziam parte os outros dois filhos de José Eduardo dos Santos como sócios.

O ativista Luaty Beirão não deixou escapar a oportunidade e publicou vários tweets onde se pode ler «Estou maluco» e «João Lourenço veio com nervo, está a sair muito bem». As filhas de José Eduardo dos Santos também já reagiram com ironia nas redes sociais e, numa alegada troca de mensagens entre ambas, Isabel dos Santos dizia estar a «apanhar por tabela em fogo cruzado não sei vindo de onde» e espera que lhe seja concedido «um certificado de mérito, uma comenda pelos serviços à pátria».

Após João Lourenço ser eleito Presidente da República, as estruturas do governo e das empresas estatais nomeadas pelo anterior presidente têm sido alvo de remodelações, como o Banco Nacional de Angola. A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, exonerou as administrações de dois dos maiores hospitais públicos do país, em Luanda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *