Milagre na Cela 7: o verdadeiro milagre é não chorar

Fonte: tv7dias

As redes sociais estão a transbordar com publicações relativas a este filme. “Mas o que raio é o Milagre na Cela 7 e porque é que estão todos a chorar por causa disso?” é a pergunta que colocamos depois de nos cruzarmos com estas palavras inúmeras vezes durante o scroll. Podemos seguir três caminhos: ignorar e não ver o filme, porque não gostamos do que se torna popular; ver, porque estamos a morrer de curiosidade e até parece interessante; ou ver e desafiar-nos a nós próprios a não chorar. Spoiler: dificilmente ganhamos.

Milagre na Cela 7 está, de momento (7 de abril), no segundo lugar do top de conteúdos da Netflix mais vistos em Portugal, perdendo apenas para a nova temporada de La Casa de Papel. Mais tarde ou mais cedo, os internautas cedem à pressão social. Ninguém se quer sentir excluído da discussão. Além disto, precisamos de nos manter entretidos durante a quarentena. No meio da indecisão acerca do que ver torna-se mais fácil optar por aquilo que está em altas.

Trata-se do filme turco mais visto no país em 2019. É, na verdade, um remake de um filme sul-coreano de 2013. Realizado por Mehmet Ada Öztekin, explora a pena de morte na Turquia. As personagens principais são Memo (Aras Bulut Iynemli) e Ova (Nisa Sofiya Aksongur). Pai e filha lutam contra as adversidades com que são confrontados, como a pobreza e o atraso cognitivo de Memo.

Fonte: tribunapr.com.br

No geral, é um drama cujo objetivo claro é levar-nos às lágrimas. Desde o início que sentimos pena e angústia, que vão evoluindo para tristeza e raiva. A banda sonora não ajuda, nem o facto de haver vários acontecimentos menos bons. O filme é, de certa forma, previsível. No entanto, conseguir adivinhar o que vai acontecer não impede que derramemos lágrimas. Pelo menos falo por mim.

Há quem consiga gabar-se de não ter vacilado. No meu caso, ainda nem 20 minutos depois já eu tinha deitado a toalha ao chão. Choro facilmente com filmes, confesso, mas este foi um verdadeiro teste ao meu armazenamento de água no organismo. Mesmo depois de todos os avisos, não tive o cuidado de ter à minha disposição um pacote de lenços. Às tantas já nem via o ecrã e a minha dor de cabeça não colaborava.

            O bem e o mal disputam ao longo do filme (trailer) para ver qual prevalece. Rapidamente criamos empatia com as personagens e sofremos as injustiças com que lidam como se estivéssemos na sua pele. Às tantas, perdemos mesmo a esperança de obter um final feliz – final este que muitos turcos não atingiram, tendo sido, em vez disso, enforcados pela justiça.

Artigo corrigido por Adriana Alves

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *