Nobel da Economia para o americano Richard Thaler

Richard Thaler é o laureado deste ano pela Academia Real das Ciências da Suécia com o Prémio Nobel da Economia pelas suas contribuições no campo da economia comportamental.

O economista americano Richard H. Thaler, atualmente com 72 anos e Professor na Universidade de Chicago, é um dos profissionais mais famosos no âmbito das finanças comportamentais. As suas análises e teorias foram fundamentais na criação e expansão desta recente área de estudo da economia e, de acordo com a Academia sueca, as suas contribuições “construíram a ponte entre as análises económicas e psicológicas das tomadas de decisões individuais”.

Um dos lemas do apelidado “pai da economia comportamental” é o de que abordagens baseadas apenas no mercado são incompletas. Na economia convencional, é assumido que os consumidores são altamente racionais e sem emoção, capazes de calcular como um computador e sem problemas de autocontrolo, quando, na verdade, uma análise mais correta dos comportamentos dos consumidores pressupõe que se tenham em conta muitos outros fatores comportamentais e valores morais, desde a impulsividade à justiça. Tal como Thaler afirmou nas suas primeiras declarações após ter recebido o prémio, foi importante o “reconhecimento de que os agentes económicos são humanos e que os modelos económicos têm de incorporar isso”.

No best-seller internacional Nudge*, do qual é co-autor, Thaler procura alertar para formas como organizações públicas e privadas podem ajudar o público a tomar melhores decisões na sua vida quotidiana, evitando vieses cognitivos e emocionais que são responsáveis por erros frequentes ao nível da gestão das finanças pessoais. Em vários outros trabalhos, o economista explora também as razões por detrás de tomadas de decisão irracionais nos mercados financeiros.

* Em Portugal, Nudge foi publicado em 2009 pela editora Academia do Livro sob o título “Nudge – Como melhorar as decisões sobre saúde, dinheiro e felicidade”.

Artigos recentes

Um adeus a Luis Sepúlveda

Um mês depois da sua morte devido à covid-19, Luis é ainda relembrado – com uma história de vida incrível, certamente memorável para muitos. Escritor,

Ler mais »

Problemas maiores, Carlos?

Claro que eu não discordo totalmente do ponto fulcral. Há problemas maiores. Haver pessoas a morrer é pior do que eu não ter conseguido celebrar

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *