• Opinião,  Secções

    Caixa Geral da Transparência

    Este artigo é escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico “São todos iguais”. Quantos de vocês já ouviram esta frase, seja qual for o contexto? Numa comédia romântica, por exemplo, em que um grupo de mulheres faz uma sobre generalização acerca do sexo masculino? Ou mesmo naquela velha máxima da filosofia de café, “todos iguais, todos diferentes”? Não é, no entanto, nenhum destes contextos dos quais me interessa falar hoje: este “axioma” também é frequentemente usado em referência à esfera política. Um dos meus ex-professores, Oscar Mascarenhas, alertava para o perigo deste pseudo-dogma: é este o tipo de mentalidade que leva à ascensão de figuras messiânicas ou de potenciais ditaduras.…