• Opinião

    A cidade dos que não querem dormir

    Lisboa está na moda. Por ser barata, quente e alegre. Os motivos são vários, na verdade, intermináveis, e com isto chegam os turistas. São aos milhares e fazem-me perder nas minhas próprias ruas. De repente, estou num hotel gigante, com dificuldades em chegar à outra ponta do corredor do meu quarto. Depois das semanas do surf, que encheu as praias de Carcavelos, Guincho e Peniche (foram mesmo mais de 80.000 num dos últimos dias) regressou o sol. Não lhe resisto, claro, e viro as costas a casa. Aproveito todos os seus raios enquanto (ainda) é tempo, seja na praia ou nas ruas. Mas não estou sozinho. Uma vez mais, Lisboa…