Tesouros Escondidos – “Casa de Lava” e Cabo Verde no Limbo

É uma asserção correta dizer que a grande maioria dos portugueses não gosta de filmes portugueses. Também é correto dizer-se que a grande maioria dos portugueses não conhece bem o cinema do seu próprio país.

Imagem retirada do site: https://www.serralves.pt/fotos/actividades/1809_casadelava
_j2_12316779435ba3bad67c638.jpg

Retrocedendo 25 anos, até 1994, Pedro Costa acabava de sair do sucesso da sua estreia O Sangue, um filme algo académico que o catapultou para a scene arthouse do cinema português. Hoje, é um cineasta de renome, tendo já competido em Cannes, Veneza e outros grandes festivais internacionais – o seu Vitalina Varela, atualmente em exibição num número limitado de salas por todo o país, ganhou o prémio principal no festival de Locarno. Costa é, em grande parte, conhecido no circuito internacional pelo seu imediatamente distinto estilo de cinema semi-documental, enraizado em vivências comuns nos locais mais pobres de Lisboa, onde os imigrantes africanos – o cineasta tem, principalmente, uma conexão especial com Cabo Verde – se deparam com condições lastimosas nos chamados “bairros de lata”. Há muito que deixou de trabalhar com atores profissionais, preferindo os desempenhos crus e mais naturalistas de principiantes no ramo.

Antes da génese desta sua identidade artística, Costa aventurou-se em Cabo Verde com Casa de Lava, um filme que, apesar de popular nos circuitos mais cinéfilos, se deixou enterrar ao longo dos anos por uma mentalidade mais comercial. Trata-se de um quasi-remake de I Walked With a Zombie, de Jacques Torneau, que leva uma enfermeira lisboeta (Inês de Medeiros) a acompanhar um imigrante cabo-verdeano (Isaach De Bankolé) ao seu país de origem, quando este sofre um acidente no ramo da construção. O que se segue é uma reflexão de uma realidade triste, mas bem assente no nosso mundo, uma meditação na questão da mortalidade e diferença cultural e social – algo que Costa continuou a explorar na sua carreira.

Imagem retirada do site: https://cdn-images.rtp.pt/EPG/imagens/25201_44626_95314.jpg?amp;w=270

Casa de Lava é transformativo, tanto dentro como fora do ecrã. Fantasmagoria subtil e a exploração do tecido da alma na ilha vulcânica do Fogo, sendo esta a personagem mais importante na narrativa. Na verdade, a narrativa é minimalista, sendo que Costa decidiu abandonar completamente o guião a meio das filmagens, quase levando os produtores e os próprios atores à loucura. De facto, é essa mesma a beleza do cinema de Costa, algo que masterizou ao longo dos anos e se tornou na sua imagem de marca – a sua câmara e as inesperadas metáforas melancólicas das suas paisagens visuais. É a descoberta do próprio ser e auto-perdição através das vistas vulcânicas e a incompreensibilidade do povo nativo. A população da ilha, que se pode descrever como um grande vulcão adormecido, é composta maioritariamente por mulheres, sendo que grande parte dos filmes de Costa focam-se exatamente no facto de que os homens partiram para Portugal em busca das oportunidades de trabalho que nunca tiveram na sua terra.

Imagem retirada do site: https://cdn.traileraddict.com/content/screencap/121039.jpg

O próprio filme, que ao público geral se torna incompreensivo de imediato, é uma reflexão da própria produção que lhe deu origem. Costa, como já tinha referido, perdeu a motivação para seguir a narrativa que tinha em mente, transformando o filme à medida que ia avançando. A própria produção foi complicada – a equipa não tinha luzes, não tinha transporte para o equipamento e não tinha noção do que estava bem a acontecer. Edith Scob, que interpreta uma mulher portuguesa que se tornou residente na ilha, compara a produção ao pesadelo americano que foi a filmagem de Apocalypse Now, a uma escala mais pequena. Isaach De Bankolé – já um ator semi-estabelecido pelo seu papel em Chocolate, de 1988 – não fazia ideia de que o seu papel se baseava, quase na sua totalidade, em simular um coma imóvel – aliás, Bankolé irritou-se tanto com o rumo da produção que mandou Costa ferido para o hospital depois de uma discussão entre os dois.

Foi assim que nasceu Pedro Costa, o ícone português conhecido em Cannes – onde o filme eventualmente teria a sua estreia. Contra a vontade dos seus produtores e, francamente, da maioria da equipa que contratara para a produção, os seus instintos criativos mandavam-no roubar um operador de câmara, um engenheiro de som e os atores, e seguir para o centro da vila, onde gravavam cenas improvisadas com a população. Uma das coisas mais belas, e ao mesmo tempo assustadoras, de Casa de Lava é a fraca percepção da passagem do tempo – na verdade, não se sente passagem nenhuma. É aí que o filme introduz aquilo que o define: a questão da mortalidade e de memórias implantadas na própria geografia da ilha. No fundo, o que se desenrola é uma antítese do próprio conceito da narrativa. Mariana pensa que está a devolver um homem morto ao seu verdadeiro lar, mas o que realmente está a fazer é trazer um homem vivo para o meio dos mortos. Os mortos andam, dançam, comem e falam entre os vivos, uma réstia de existência dos que já foram embora para contra-balançar a solidão daqueles que ficaram para trás, residentes numa ilha abandonada à decadência da alma. O título inglês do filme, Down to Earth (tradução literal “Assente na Terra”), toca nisso mesmo – Fogo é um plano astral, uma outra dimensão não confinada às normas físicas da nossa.

Imagem retirada do site: http://www.c7nema.net/galeria/albums/userpics/10001/ines02.jpg

Casa de Lava é uma pintura naturalista, salpicada com a tinta preta de que são feitos os caixões, por sua vez restos de lava solidificada e presa nas memórias do dia de ontem. Costa é o artista e a ilha é a sua musa. O que fica é algo que transcende os limites da estrutura cinemátic

É uma asserção correta dizer que filmes portugueses são mais do que as diversões telenovelescas que a maioria dos portugueses conhece.

Artigo revisto por Lurdes Pereira

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *