“Tyler Rake: Operação de Resgate”: é possível haver ação em demasia?

Fonte: playcrazygame

Chris Hemsworth assume a identidade de Tyler Rake no novo filme de ação da Netflix (trailer). Na muche ou ao lado, esta aposta assume, no dia seguinte à sua estreia, o primeiro lugar do top de mais vistos a nível nacional.  

            A descrição do filme na plataforma é a seguinte: “Dois traficantes rivais, um rapaz raptado, zero hipóteses. O que era só mais uma missão pode revelar-se a sua redenção.” De facto, assistimos a um medir de forças entre dois barões de droga – o da Índia, Ovi Mahajan Sr. (Pankaj Tripathi), e o do Bangladesh, Amir Asif (Priyanshu Painyuli). O primeiro, atrás das grades, está impotente, tendo de colocar a segurança do seu filho, Ovi Mahajan Jr. (Rudhraksh Jaiswal), nas mãos do seu capataz, Saju (Randeep Hooda). O segundo procura vingança aliado às forças policiais.             No fundo, o enredo do filme explora a tentativa de resgate do herdeiro do barão de droga indiano. O protagonista da operação é Tyler Rake, um mercenário seduzido pelos salários do mercado negro, que já perdeu o amor à vida. Ainda assim, acaba por deixar que os seus sentimentos interfiram com a missão ao afeiçoar-se ao jovem raptado.


Nesta imagem vemos o herói e a vítima. Tyler Rake é um mercenário contratado para resgatar o herdeiro do barão de droga da Índia, Ovi.
(Fonte: Netflix/Divulgação)

A realização de Sam Hargrave e a produção dos irmãos Russo (que reconhecemos nomeadamente graças ao trabalho na saga Vingadores) dão primazia às imagens, descurando a interação entre personagens. Sem dúvida ouvimos mais tiros do que palavras – mas também temos de ter em conta que se trata de um filme de ação.

            Não sou a maior fã do género nem uma crítica profissional. Contudo, ainda assim, posso dizer que as (cerca de) duas horas que gastei a ver o filme não foram desperdiçadas. Tem perseguições, lutas e efeitos que cumprem a sua missão de nos deixar com o coração nas mãos. Tem plot twists e mostra o background das personagens. Não cai no erro de romantizar ou de percorrer o caminho da lamechice. E, honestamente, não precisava de o fazer.

            O início é cativante e o final ainda mais – faz-nos ansiar uma sequela ou, no mínimo, correr para o motor de busca mais próximo na tentativa de obter respostas. Conseguimos perceber as ligações entre as personagens mesmo com a pouca interação que têm. Não exteriorizam os seus sentimentos, pelo que ficamos dependentes da nossa interpretação. Chris Hemsworth foi uma ótima escolha para o papel deste mercenário. Destaco ainda a performance de David Harbour (Hopper em Stranger Things) enquanto Gaspar, e de Golshifteh Farahani, que interpreta Nik Khan, ambos parceiros de Tyler Rake.

            Os criminosos estão bem retratados, principalmente os barões da droga. É também explorada a vertente da conversão das crianças para este estilo de vida. Sentimo-nos desconfortáveis ao vermos meninos com menos de dez anos a tentarem erguer uma arma, tal como quando assistimos a pré-adolescentes a matar pessoas. Uma das muitas facetas destes países em desenvolvimento, submergidos em crime e reféns da corrupção.

Revisto por Miguel Bravo Morais

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *