3, 2, 1… Que comece o circo!

Entre 3 e 13 de janeiro, quem entrou no Altice Arena, em Lisboa, entrou num verdadeiro mundo fantástico. Impossível e inimaginável. Mas tornado realidade graças à produção e ao trabalho do Cirque du Soleil.

Foto retirada do site oficial da RFM

Com uma peça intitulada de “OVO”, o espetáculo não é apenas um simples “ovo”, o zigoto dos animais, segundo o ponto de vista da biologia, e não fala do ovo da foto que bateu o recorde do Instagram com mais de 29 milhões de gostos.

“OVO” conta a história de uma precipitada corrida para um ecossistema cheio de vida e de cor, onde insetos trabalham, comem, rastejam, brincam, lutam e até se apaixonam. Tudo isto num enorme e grandioso tumulto de energia, onde o contraste entre o barulho e o silêncio é um dos ingredientes principais que prometem surpreender até o espectador mais cético.

Foto retirada do site oficial do Cirque du Soleil

São duas horas onde a vida flui com toda a intensidade neste universo animado pelos insetos. Formigas incríveis que fazem malabarismo com comida, pulgas flexíveis, ara- nhas de seda e grilos loucos que andam diretamente numa parede, levam o espetador a rir, a chorar, a gritar, cantar ou suster a respiração.

O “OVO” é, então, uma representação da natureza sem filtros. Contando com 50 artis- tistas de 14 países, é um retrato fictício repleto de imaginação, luz, som e emoção, onde cada personagem assume um papel que promete transformar a nossa maneira de olhar para a natureza.

Foto retirada do site oficial do Cirque du Soleil

Esta é mais uma criação do Cirque du Soleil, que tenta forçar os limites da imaginação e surpreender continuamente a plateia. Inovação e criatividade estão sempre presentes nos seus espetáculos, esforçando-se para levar a aventura e os seus sonhos em frente.

Não é apenas uma experiência visual. A música desempenha um papel enorme ao dar vida às suas criações, assim como os conjuntos e equipamentos de palco, que são parte integrante da transmissão do tema e da atmosfera.

O facto é que o Cirque du Soleil redefiniu como o mundo vê o circo, criando, há cerca de 40 anos, algo mágico, excitante e revolucionário numa escala global. Livre de animais, impressionante, dramática, bonita e reflexiva, as performances exibem trajes impressionantes, iluminação mágica e música original.

Artigo revisto por Liliana Pedro




Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *