A Arte que vem em forma de Natal

ATodos os dias estamos perante formas de arte, mesmo sem nos apercebermos. Com o fim do ano vem o Natal, e com o Natal vem uma das formas de arte mais apreciadas: as luzes que enfeitam o mundo e dão cor ao espírito natalício.

A Humanidade é uma espécie visual que experiencia grande parte do mundo através da visão. Como qualquer outro tipo de arte, esta funciona como estímulo: as luzes de Natal despertam memórias relacionadas com esta altura do ano e essa é uma das razões que leva as pessoas a apreciarem-nas.

Esta forma de arte visual, que ganha vida na noite, está presente em todo o lado nesta altura. Seja pelas suas cores, formas ou grandeza, todos os anos milhares de pessoas saem à rua, propositadamente, para apreciar as luzes de Natal. Pode ser apreciada nas ruas das cidades, nas montras das lojas, nos centros comerciais e até nas nossas casas.

As luzes de Natal são também arte que se torna pessoal porque qualquer pessoa pode criar novas peças com elas, seja ao decorar a árvore de Natal, a enfeitar as paredes ou apenas ao criar combinações de cores como peças decorativas. Além disto, cada vez mais vemos luzes de Natal a transporem a altura de dezembro: as luzes brancas são usadas como decoração.

Para além do lado visual, esta arte vem também como forma de atração cultural, que convida turistas a visitarem as maiores cidades e mercados de Natal do mundo. Esta é uma das razões que leva as grandes capitais turísticas a enfeitarem os seus monumentos, criarem árvores de Natal maiores e conceberem atrações disponíveis apenas no fim do ano (como é o caso do Wonderland Lisboa). As luzes de Natal são, também, cada vez mais usadas para peças de arte, e existem até exposições dedicadas apenas ao uso das mesmas.

Com o passar dos anos, o Natal nunca perdeu a magia, nem perderá. As luzes de Natal estão presentes de diversas formas nas nossas vidas, estão para ficar e para iluminar o espírito das pessoas.

Artigo revisto por Vitória Monteiro

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *