A Discovery of Witches: Um verdadeiro cliché

A série que vos trago este mês é dedicada a todos os amantes de clichés. Daqueles clichés com direito a amor proibido, a ir contra a própria natureza para que, no final, o amor vença e nós, espectadores, fiquemos deliciados.

A Discovery of Witches, a série deste mês, é baseada na Trilogia das Almas, da autora Deborah Harkness, sendo mais especificamente uma homenagem ao primeiro livro. Estreou no dia 14 de setembro de 2018 e conta com apenas uma temporada, com oito episódios. Já se espera pela segunda e terceira temporadas, confirmadas em novembro de 2018.

Imagem relacionada
Fonte: Cinemablend

Num mundo onde criaturas sobrenaturais vivem juntamente com os humanos vive Diana Bishop (interpretada por Teresa Palmer), uma historiadora e bruxa, embora não faça grande proveito das suas capacidades que, de forma inesperada, irá descobrir num manuscrito enfeitiçado. Esta descoberta irá mudar a sua vida e irá levá-la a desvendar todos os segredos sobre as várias criaturas mágicas existentes. O seu caminho irá cruzar-se com o do misterioso Matthew Clairmont (interpretada por Matthew Goode), um vampiro que irá ajudá-la. Como estamos a falar de um cliché, é óbvio que, nesta história, bruxas e vampiros não têm uma boa relação, mas as duas personagens vão contra isso para que possam resolver os mistérios escondidos. Será que um amor irá surgir desta ligação que vão criar? É óbvio que sim.

Na minha opinião, esta é a série perfeita para quem aprecia os finais felizes, os dramas românticos e os amores proibidos. Não posso dizer que detestei esta série, porque ela ainda continua a fazer parte da minha lista no TV Time, mas também não posso dizer que adorei, pois o “fator uau” não existe. É uma série leve e descontraída.

Se estás saturado de séries com demasiado suspense, que te dão ansiedade, e apenas procuras descontrair, esta pode ser uma série para ti. Então, não te esqueças de a adicionar à tua lista e de começar a ver.

Artigo revisto por Mariana Coelho

Artigos recentes

Compulsão

É uma manhã de domingo como todas as outras. Debruço-me no parapeito da janela da cozinha que beija as traseiras do prédio de trás e

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *