A ignorância, a desinformação e a burrice entram num bar…

“Sou só uma pessoa, não vai fazer a diferença” –  é a frase que ouvimos da boca de quem não acredita que pode mudar o mundo. “Há tantas outras pessoas a fazer como eu, achas mesmo que vai ser isto que vai mudar alguma coisa?” – é aquilo que diz quem não quer alterar a sua atitude e necessita de uma desculpa para o efeito. A típica pessoa que considera que não faz nada de mal, que as suas ações não estão incorretas e, pior ainda, que não prejudicam nada nem ninguém.

Esta mentalidade é inimiga do progresso. Se todos nós fizermos um pequeno ajuste ao nosso comportamento, existe uma maior probabilidade (e olhem que nunca fui boa a matemática) de fazermos a diferença. Quando achamos que somos só mais um, acabamos por ser mesmo só mais um. Numa altura em que o mundo precisa de se adaptar às novas circunstâncias, não somos exceção. Todas as consequências das nossas ações obrigam a que as modifiquemos. O problema é que apenas um ínfimo número de seres humanos realmente dá o passo em frente em direção à mudança.

Faz ainda menos sentido quando os próprios jovens se recusam a reconhecer que estão a ter atitudes que fazem mais mal do que bem. Compreenderia o ceticismo se este partisse de almas antiquadas, às quais a eternidade escapa por entre os dedos das mãos enrugadas. No entanto, o que mais se vê são gerações recentes a virarem a cara à realidade, à urgência de agir e ao que pode acontecer caso se neguem a fazê-lo.

Imagem relacionada

Fonte: Público

Não estou aqui a apelar a mundos e fundos nem para que se tornem vegan (seria hipócrita da minha parte). Mas percebam que podemos efetivamente revolucionar, de forma drástica, o nosso futuro – basta estarmos abertos a alterações insignificantes no nosso quotidiano. O que é que custa termos sempre dois ou três sacos no carro ou na mala para quando formos às compras? Vale assim tanto a pena dar aqueles dez cêntimos a mais só pela teimosia de não carregar um pesadíssimo saco? Até pode ser de plástico, mas pelo menos não compramos outro, e outro, e mais outro. Esses três sacos podem comprometer mais do que aquilo que imaginamos.

O que não admito é preguiça, má vontade e casmurrice só porque sim. Há que abrir os olhos e entender que somos a força da mudança, mais ninguém vai poder ajudar-nos. Não são as gerações passadas que têm de agir, pois somos nós quem vai ficar com o mundo. So what se temos de abdicar das palhinhas de plástico? Qual é o problema de investir numa garrafa de água reutilizável em vez de uma descartável? Que mal faz não deitar uma beata fora?

Resultado de imagem para santo domingo praia plástico

Já está mais que na hora – ainda para mais com todo o conhecimento a que temos acesso – de percebermos que não é fixolas deitar lixo para o chão. Poluir por poluir é meter a corda ao pescoço e deliberadamente chutar o banco. Até quando vamos preservar o nosso orgulho em vez do nosso planeta? De quantos mais alertas vamos necessitar para interiorizarmos que estamos condenados se não tomarmos uma atitude?

Fonte: Revista Galileu – Globo

“Que diferença faz reciclar se depois vai tudo parar ao mesmo sítio?”, pergunta a burrice. “Não é um lixinho que vai fazer a diferença. Se calhar até é biodegradável. Só o trabalho de ir até ao caixote…”, afirma a ignorância. “Há tanta gente a fazer como eu, tanta gente ainda a usufruir do plástico e a não mexer um dedo, porque é que vou ser eu a mudar?”, indigna-se a desinformação.

Certamente não será este artigo a mudar o mundo, disso tenho a certeza. Mas talvez pese na consciência de alguém que sente que não está a fazer tudo o que pode (ou a mínima coisa, sequer) para contribuir para a vida como a conhece. A praia de lixo na costa de Santo Domingo, na República Dominicana, não é uma ilusão. Os habitantes de Pequim que usam diariamente uma máscara graças aos níveis absurdos de poluição do ar não são uma história da Carochinha contada pela avó. Tudo isto é a realidade a que estamos a escolher virar as costas. Até quando?

Revisto por: Ana Patinho

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *