A luta da AMI por «Toda a Esperança do Mundo»

«Toda a Esperança do Mundo» está exposta na Fnac do Centro Comercial Alegro Alfragide, em Lisboa, até ao dia 5 de janeiro e é uma chamada de atenção para tudo aquilo que está a acontecer no Mundo, ao qual viramos a cara.

Rostos que espelham dor, corpos que revelam o cansaço de uma rotina diária, a doença e a fome, os caminhos percorridos pelos refugiados, o clima, a vida e a (quase) morte.

Aldeia em Wato, Guiné-Bissau, 2014
Aldeia em Wato, Guiné-Bissau, 2014

«Toda a Esperança do Mundo» é um conjunto de fotografias da autoria de Alfredo Cunha, que, acompanhado pelo jornalista Luís Pedro Nunes, embarcou numa viagem com a Assistência Médica Internacional (AMI), no ano em que se comemorou o trigésimo aniversário desta organização.

Ao longo da viagem, passaram por locais como o Sri Lanka, o Bangladesh, o Haiti e a Guiné-Bissau, encontrando pessoas distintas entre si, mas com algo em comum: a AMI como órgão de união, mudança e entreajuda.

Forno de pão em campo de refugiados, Duhok, Curdistão, Iraque, 2014
Forno de pão em campo de refugiados, Duhok, Curdistão, Iraque, 2014

São fotografias a preto e branco, de forma a não existir qualquer concentração na cor por parte de quem vê, mas sim da realidade que ali nos é apresentada.

Existem crianças. Existe a ingenuidade que tão bem as carateriza. Existem sorrisos por detrás das dificuldades e encontram-se bons minutos em dias maus. Existem homens e mulheres – pessoas iguais a todos nós. Desilusões e vitórias. Existe a vida e a luta constante para que tudo seja melhor, um dia mais tarde.

As fotografias que compõem esta exposição integram o livro Toda a Esperança do Mundo. Este é composto por nove fotorreportagens e encontra-se à venda pelo valor de 39,90€, sendo que 2€ revertem a favor da AMI.

 

Todas as fotos foram retiradas de culturafnac.pt

 

 

 

Artigos recentes

Um adeus a Luis Sepúlveda

Um mês depois da sua morte devido à covid-19, Luis é ainda relembrado – com uma história de vida incrível, certamente memorável para muitos. Escritor,

Ler mais »

Problemas maiores, Carlos?

Claro que eu não discordo totalmente do ponto fulcral. Há problemas maiores. Haver pessoas a morrer é pior do que eu não ter conseguido celebrar

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *