Atualidade,  Informação

A “selva” de Calais já começou a ser desmantelada

O governo francês inicia esta segunda-feira o desmantelamento do campo de refugiados em Calais. O objetivo é distribuir os milhares de migrantes que ali se encontram por centros de acolhimento espalhados por várias regiões do país.

Eram oito horas da manhã quando começaram a partir os primeiros autocarros que vão levar os refugiados para centros de acolhimento em toda a França. Há mais de trezentos centros de acolhimento prontos a acolher os residentes da caótica e conhecida selva de Calais, o enorme acampamento para refugiados criado no norte de França.

Estima-se que neste acampamento se encontrem entre seis a oito mil refugiados. Vivem aqui há alguns meses e quase todos têm já os sacos arrumados. Estão prontos para partir. O desmantelamento do centro de refugiados de Calais está a começar. Há um forte acompanhamento policial. O ambiente é tenso. Entre o dia de domingo e o início da manhã de segunda-feira, as autoridades foram de tenda em tenda explicar como seria o processo a partir do início desta semana. O governo francês espera concluir o processo de realojamento dentro de uma semana, mas há ainda vários problemas relativos aos refugiados. É o caso do acolhimento de grupos de refugiados em algumas autarquias francesas que não veem com bons olhos a criação de “mini Calais”, como as designam, nas suas zonas residenciais.

A polícia receia confrontos. Uma possibilidade que aumenta devido a possíveis protestos das organizações de defesa dos direitos humanos.

Outros problemas relacionados com os refugiados são as crianças que chegam à europa sozinhos, mas com familiares em Inglaterra. Há já negociações entre França e Inglaterra para que as crianças desacompanhadas que têm chegado a Calais sejam enviadas para junto de familiares. No entanto, há também menores que chegam sem família. França estima também vir a receber nas próximas duas semanas cerca de quatrocentas crianças sem família. O objetivo do governo francês é acolher os jovens em centros provisórios onde vão receber um acompanhamento especial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *