Agenda Cultural

Abril chega e, com ele, o sol quente e os dias mais longos. Por isso, o mínimo que podes fazer é sair e ir ver coisas. Há tanto por onde escolher. A tua magazine não te deixa sozinho e dá-te umas dicas!

Assiste a «Loucos por Amor», até ao dia 16 de abril, no Comuna Teatro de Pesquisa. Com Orlando Costa, João Catarré, Iolanda Laranjeiro e Frederico Amaral a compor o elenco, esta é uma peça que promete fazer-nos pensar em conceitos como a família, a traição e a dependência.

Apressa-te. Até ao dia 9 de abril, podes visitar «Lick My Legs», na Shiki Miki Gallery, na Rua do Conde, em Lisboa. «Lick My Legs» é a exposição do cru, do que incomoda; trata-se de uma «celebração do selvagem e do poder infinito do subconsciente». Vais mesmo querer perder?

Ainda até ao dia 9, podes rumar ao Teatro Nacional Dona Maria II e assistir ao «Ensaio para uma Cartografia», de Monica Calle. Entre quarta-feira e domingo, em diferentes horários, podes ser testemunha de um espetáculo de dança por parte de 12 atrizes, «a partir dos ensaios de orquestra de grandes maestros e dos movimentos de ballet clássico».

Qual é, afinal, a diferença entre uma obra de arte e um objeto utilitário? Felipe Pantone reflete sobre isto em «Artifact to Human Communication». Patente na Underdogs Gallery, até ao dia 22 de abril, a exposição é composta por peças que nos obrigam a parar. Curioso?

Se não gostas de perder pitada do que se faz na área da pintura, visita «Ressonância: da voz e dos ecos», no centro de exposições da Fundação Champalimaud, em Lisboa. Composta por uma centena de obras da autoria da pintora Graça Morais, esta é uma exposição onde podes sentir influências da eleição de Donald Trump como presidente dos EUA.

E, se estiveres junto à Sé de Lisboa a aproveitar o sol, passa n’A Arte da Terra e visita a exposição «Poemas de Terra». Até ao dia 30 de abril, João Gomes apresenta cerca de duas dezenas de obras em cerâmica – «sim, porque mesmo o que parece madeira, ou ferro… é cerâmica».

Mas, se queres conhecer «Mário Cesariny: De cor e salteado», tens de passar no Centro Cultural de Belém. Isto porque, até ao dia 17 de abril, vão estar expostas mais de trinta obras de arte da coleção do pintor e poeta surrealista. A exposição consta de um programa de diferentes iniciativas que visam assinalar os dez anos da morte de Cesariny.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *