Atualidade

Alexei Navalny é o vencedor do prémio Sakharov 2021

O principal rosto da oposição ao Presidente Vladimir Putin, Alexei Navalny, venceu o prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2021

Créditos: Diário De Notícias 

O ativista político e anticorrupção russo, Alexei Navalny, que está detido na Rússia, é o vencedor do prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento de 2021. O vencedor foi anunciado oficialmente na tarde de quarta-feira, 20 de outubro, no plenário do Parlamento Europeu. 

A cerimónia de entrega do prémio está marcada para 15 de dezembro, em Estrasburgo. 

Os outros dois finalistas eram um grupo de 11 mulheres afegãs, que serão também homenageadas pelo Parlamento Europeu no dia 15 de dezembro, e a ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez. 

Navalny foi detido em janeiro de 2021, após regressar da Alemanha, onde esteve a receber tratamento por ter sido envenenado em agosto de 2020 com novitchok – Navalny e os seus apoiantes culparam o Kremlin, mas a Rússia negou qualquer envolvimento. 

O vencedor do prémio foi sentenciado a dois anos e meio de prisão por ter violado a liberdade condicional de uma anterior condenação, que diz ter tido motivação política.

Créditos: TSF 

Segundo a vice-presidente do Parlamento Europeu, a finlandesa Heide Hautala, “Navalny mostrou grande coragem nas suas tentativas de restaurar a liberdade de escolha ao povo russo. Durante muitos anos, lutou pelos direitos humanos e liberdades fundamentais no seu país. Isto custou-lhe a sua liberdade e quase a sua vida”. Acrescentou ainda um pedido para a sua libertação:”Em nome do Parlamento Europeu peço a sua libertação imediata e incondicional”.

“[Navalny] lutou incansavelmente contra a corrupção do regime de Vladimir Putin. Isso custou-lhe a sua liberdade e quase [que lhe custou] a vida. O prémio de hoje é um reconhecimento da sua imensa coragem e nós reiteramos o pedido da sua libertação imediata”, escreveu no Twitter o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli.  

Desde da detenção de Alexei Navalny já foram ilegalizadas várias organizações e grupos anticorrupção a ele ligados. Os protestos de rua também cresceram, assim como a repressão das autoridades russas a este tipo de iniciativas.

A decisão de entregar o prémio ao ativista russo coube aos membros da Conferência do Parlamento Europeu, sendo que, para além da distinção, serão atribuídos ao vencedor 50 mil euros. 

                                                                                           Artigo revisto por Ana Sofia Cunha