Artes Visuais e Performativas

Chicago – A América dos Anos 20, em Portugal

No Teatro da Trindade, em Lisboa, podemos fazer uma viagem temporal até Chicago dos anos 20, altura em que o Jazz começou a aparecer nos clubes noturnos.

Fonte: Filipe Ferreira

Nesta peça, conhecemos a história de Roxie Hart (protagonizada por Gabriela Barros), uma rapariga que aspira a ser cantora e que acaba por ficar detida na Prisão do Condado de Cook por ter matado o amante, e a de Velma Kelly (protagonizada por Soraia Tavares), uma conceituada cantora de Jazz que é presa por matar a irmã e o marido.

Em conjunto com a “Mama” Morton e o extraordinário Billy Flynn, tentam sair do cárcere sem qualquer tipo de pena para voltarem ao mundo do espetáculo o mais rápido possível.

Confesso-vos que, quando fui ver a peça, as minhas expetativas não eram muitas, pois já estava habituada a ouvir as músicas em inglês. No entanto, a prestação de todos os atores, incluindo a dos figurantes que fizeram um excelente trabalho, proporcionou uma tarde mágica a qualquer pessoa que tenha estado naquela sala.

Fonte: Filipe Ferreira

A encenação de Diogo Infante dá um certo twist ao clássico musical da Broadway, tão conceituado em todo o mundo. Todos os pequenos detalhes, desde o cenário ao vestuário das diversas personagens, deixam a peça muito diferente daquilo que é o filme de 2002 e, claro, a referência da maioria das pessoas que conhece este musical.

Um ponto maravilhoso da peça é a banda ao vivo, que acompanha o musical todo, fazendo as diversas entradas dos diferentes números musicais. Para além disso, faz ainda diversos comentários, especialmente sobre os jornais de notícias com desenvolvimentos do caso de Roxie.

A cumplicidade entre todos os atores é brilhante e isso comprova-se em palco, especialmente entre as protagonistas, Soraia Tavares e Gabriela Barros, que têm diversos números em conjunto.

Fonte: https://lh3.googleusercontent.com/proxy/Wq9Y9dT_vnUYO2TeIhNrKKzdbVAakfzQsN0vpmMa

Todas as músicas foram traduzidas para português de uma forma espantosa e que nos deixa com a letra presa na mente quando saímos da sala.

 A música que mais me ficou na cabeça e que não parei de repetir até uma semana depois de assistir ao musical foi a “Um Pouco de Magia” – equivalente à “Razzle Dazzle” do filme original.

Se alguma vez tiverem oportunidade de assistir a algum musical, aproveitem, porque vai valer a pena. “Chicago” está em cena no Teatro da Trindade, em Lisboa, até este domingo, dia 1 de novembro.


Aproveitem e não se esqueçam de viver “Ao som do Jazz”!

Artigo escrito por Flávia Gomes

Artigo revisto por Ana Sofia Cunha

Avatar

Com uma paixão pelo Jornalismo desde 2016, decidiu começar a expressar-se através da escrita há pouco tempo. Ao escrever sente que as pessoas ficam a conhecer um pouco do seu pequeno mundo e também dos seus sentimentos. Com o curso de Jornalismo encontrou a sua vocação para o futuro e quer distribuir felicidade e conhecimento através dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *