De génio e de Louco todos temos um pouco

De um dia para o outro, Sara Moreno, a musa dos realizadores, deixa de conseguir chorar. Conhecida por ser a atriz “séria” do cinema Português, esta situação afeta a sua vida de uma maneira incontrolável. Cansada das pressões que sofre diariamente para que volte a ter a sua habilidade, decide mudar de vida: deixa o filme que tem em mãos e, por pressão do seu agente, faz o impensável. Entra numa telenovela.

Este é o ponto de partida de Sara, uma série portuguesa de oito episódios, que vem quebrar as barreiras existentes no meio audiovisual. Composta por vários registos, desde a comédia até tragédia, acompanha a vida de uma mulher na sua caminhada pessoal e profissional.

Fonte: IMDB

A relação entre o cinema e a televisão é desconstruída. Aqui revela-se o lado mais obscuro da fama. background e influências de Marco Martins e Bruno Nogueira fundem-se para criar este universo tão inspirado na própria Beatriz Batarda.

«Todas as personagens que interpretamos transportam a nossa biografia, dificilmente o ator consegue esconder no corpo as suas memórias e história. No caso da Sara, a coincidência começa com o apelido, seguido da partilha da mesma profissão, trazendo com esta última as respetivas ansiedades, inquietudes e situações estereotipadas. Lembro-me de passar por muitos dilemas semelhantes aos de Sara, num tempo em que toda a minha energia girava em redor da representação, coisas como a relação com o dinheiro, a relação com a imagem, ou ainda com a construção de uma identidade artística. (…).» – Beatriz Batarda

Mas nem só de Beatriz Batarda vive este elenco. Há numerosos atores notáveis tanto pela sua carreira, como pela sua prestação na série, como Albano Jerónimo, Nuno Lopes, José Raposo e Rita Blanco. Acho importante ressaltar o trabalho desta última, que com a sua Júlia consegue arrancar gargalhadas através da sua personalidade desbocada e inconstante. Amiga da protagonista, mas com diversos pontos de vista contrários, origina debates convenientes para os dias de hoje. Uma das melhores cenas entre as duas ocorre logo nos primeiros episódios: depois de Sara se despedir, Júlia vai buscar a amiga acabando as duas por se irem embora a cantar Pensando Em Ti, dos Gemini, pela estrada fora.

Fonte: Cinema Planet (https://cinemaplanet.pt/sara-critica/)

Com 40 minutos por cada episódio, esta é uma série que nos prende do inico ao fim.  E posso garantir uma coisa: quem vir tudo de uma vez, acredita que está a assistir a um dos melhores filmes portugueses.

Artigo revisto por Daniela Costa

Artigos recentes

Crítica a The Politician

A descrição “comédia dramática” nunca havia sido tão bem aplicada antes. The Politician, uma das mais recentes apostas da Netflix, traz fortes emoções, para além

Ler mais »

te·sou·ro

(latim thesaurus, -i) substantivo masculino 1. Grande quantidade de ouro, prata, coisas preciosas, posta em reserva. 2. Lugar onde se guardam esses objetos (tipicamente escondido)

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *