De ‘The Shining’ a ‘Doutor Sono’ – A Sombra do Quarto 237

Não é segredo que Stephen King, um dos mais célebres autores do fantástico e do horrífico na história da literatura, odeia a adaptação cinematográfica do seu livro The Shining. No entanto, o filme de Stanley Kubrick, um dos cineastas mais respeitados e influentes do mundo do cinema, é um dos maiores pontos de referência para qualquer amante de terror.

King é, em regra, bastante leniente no que toca às adaptações do seu trabalho, incluindo as mal recebidas. No entanto, o seu ódio face à mais aclamada adaptação de um dos seus livros tornou-se alvo de obsessão tanto por parte dos media como dos seus próprios fãs. De acordo com King, o filme de Kubrick é “demasiado frio”. De facto, muita da obra de King foi alterada na sua tradução para o grande ecrã, sem que tais alterações fossem particularmente necessárias. Kubrick moldou a história à sua própria visão, como qualquer outro autor trabalhando em qualquer tipo de media. Contudo, o resultado não foi apreciado pelos seus contemporâneos, ainda que tenha sofrido uma reavaliação positiva nos anos que se seguiram. É unânime que o clássico de 1980 está longe de ser uma experiência fria, à exceção do sentido mais sensorial da expressão.

Créditos: Warner Bros. Pictures

Agora, quase 40 anos depois, chega-nos Doutor Sono, a adaptação cinematográfica do romance escrito em 2013, este uma sequela de The Shining. Estabelecida a narrativa – cerca de 40 anos depois do filme original -, Danny Torrance encontra-se agora numa rotina pacata, trabalhando como funcionário num hospício, onde reconforta pacientes moribundos com o seu shine – o nome dado por King aos seus poderes psíquicos. Enquanto, em simultâneo, um culto vampiresco rapta crianças para se alimentar do seu steam – a substância biológica produzida pelo shine.

Mike Flanagan é uma das promessas da década no que toca a terror. Antes de se encarregar de Doutor Sono realizou Hush e Jogo Perigoso para a Netflix – este último sendo também uma adaptação de uma obra de King. Flanagan viu-se imediatamente entre a espada e a parede, sendo que o seu trabalho seria adaptar o romance de King – qual seria a melhor maneira de o fazer, visto que o filme de Kubrick é a versão mais popular da história e é de conhecimento público que King a despreza? Mais ainda, como adaptar uma obra que tem como base um capítulo anterior onde o desfecho é diferente daquele que conhecemos cinematicamente? Não esquecer, ainda, que tem como personagem principal Danny Torrence (a criança de The Shining) e ligações diretas aos acontecimentos do Hotel Overlook que impossibilitariam a credibilidade se fossem ignoradas. O resultado é algo moldado através de uma fusão entre as duas faces da moeda, e King não podia estar mais feliz.

Aliás, a narrativa de Flanagan funciona de uma forma tão orgânica que, ao que parece, levou King a apreciar o filme de Kubrick com outros olhos. Tendo visto os dois filmes, é difícil não o fazer. Doutor Sono não aborda os acontecimentos do original de uma maneira ativa. São recriados alguns dos seus momentos mais icónicos e exploradas as suas consequências psicológicas, mas o clássico de Kubrick mantém-se intacto na sua íntegra, sendo-lhe apenas adicionada uma nova camada narrativa; um ponto-parágrafo na sua realidade que não se encontrava visível há um mês. Dito isto, parece algo tanto derivativo como intrusivo, mas não o é.

Créditos: Warner Bros. Pictures

A verdade é que Doutor Sono está longe de ser uma sequela linear do filme de Kubrick. Nas suas bases encontram-se sensibilidades completamente diferentes. A psicose interna de The Shining é substituída por um world-building mais fantástico no filme de Flanagan, com maior enfoque no estabelecimento de uma realidade alternativa do que propriamente na demência do subconsciente. Mas o que é mais interessante é, de facto, a abordagem de Flanagan face aos lugares-comuns do género – a verdade é que todos nós vemos filmes de terror como um escape violento. A própria ideia do filme de terror baseia-se no ato de experienciar um pânico que não queremos ter na vida real; ou melhor, no ato de ver alguém a experienciar esse mesmo pânico. Em suma, vemos filmes de terror para ver pessoas serem brutalizadas até à morte, das formas mais inimagináveis. Uma das melhores cenas de Doutor Sono assenta na forma como Flanagan inverte o esquema e coloca os antagonistas na posição penosa da equação. Ora, é infinitamente mais satisfatório quando tal acontece – o medo transforma-se em alívio e o pânico forma triunfo.

Quanto à inevitável visita ao mítico Quarto 237, é quase nostálgico. Não se perde muito tempo por lá, mas o Hotel Overlook foi completamente recriado num sound stage, e os resultados são arrepiantes. A figura de Jack Torrance é ressuscitada por Henry Thomas, numa imitação de Jack Nicholson que é, no mínimo, incomodativa. É estranho visitar um local que foi outrora tão assustador, de uma forma tão retrospetiva. É como visitar uma casa antiga, se ignorarmos o facto de que essa própria casa nos tentou, outrora, matar. Os fantasmas do Overlook não atravessam paredes, mas partem portas com machados e deixam um after-taste a melancolia fabricada.

Créditos: Warner Bros. Pictures

Destaque, ainda, para a panóplia de novas personagens – especialmente as de Rebecca Ferguson, no papel de antagonista, e Kyliegh Curran, no papel de protegé de Danny Torance. Há quem diga que a substância de uma narrativa confrontacional é diretamente proporcional ao seu antagonista. Ora, diga-se de passagem, que esta é uma narrativa com substância.

Artigo revisto por Bruna Gonçalves

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *