7ª Arte

De Volta aos Loucos Anos 20 de Gatsby

Mais uma vez, o grande romance de F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby, que é considerado uma das maiores obras literárias do século XX é adaptado para o grande ecrã. A última vez que esta obra foi vista no Cinema foi em 1974, pelo realizador Jack Clayton e teve como protagonista Robert Redford a interpretar Jay Gatsby e Mia Farrow a Daisy Buchanan.

Agora é a vez de Baz Luhrmann, realizador de Romeu+Julieta, Moulin Rouge! ou Austrália , nos trazer a sua versão do aclamado romance de F. Scott Fitzgerald. Apesar de poucos filmes no seu curriculum, todos eles se tornaram grandes sucessos mundiais. Luhrmann destaca-se pela sua visão excêntrica mas que com as medidas certas consegue criar verdadeiras obras de arte.

Neste novo filme vamos poder ver um aspirante a escritor, Nick Carraway, que deixa o Midwest para chegar a Nova Iorque numa era em que não havia moral, mas sim um jazz deslumbrante. Perseguindo o sonho americano, Nick instala-se na proximidade da casa do misterioso milionário Jay Gatsby e também da casa da sua prima Daisy e do seu mulherengo marido de sangue-azul, Tom Buchanan. É assim que Nick é atraído para o cativante mundo dos super-ricos, das suas ilusões, dos seus amores e decepções. Nick vai assistir, dentro e fora do mundo em que habita, à história de um amor impossível, sonhos incorruptíveis e amargas tragédias, levando-nos até às nossas lutas do mundo actual.

Dezassete anos depois de Romeu+Juleita , Leonardo DiCaprio (A Origem) reencontra-se com Baz Luhrmann para dar vida a uma das personagens mais apreciadas da literatura do século XX, Jay Gatsby.

Tobey Maguire (Homem-Aranha) dá vida, nesta nova produção de O Grande Gastby a Nick Carraway, o fiel amigo de Gatsby. A personagem de Maguire vai perceber que Gatsby apesar das luxuosas festas que este faz, no final do dia não tem nenhum amigo além dele. DiCaprio refere que “o fascínio em relação ao Gatsby, para o Nick, é que ele fez tudo por amor. Fez aquelas festas luxuosas e decidiu-se pela existência no submundo apenas para ser aceite. Não por amor, mas para ser aceite como parte daquele clube elitista da realeza americana.”

DiCaprio refere ainda que “Gatsby é o sonhador eterno e Nick está fascinado com isso.”

 A eles junta-se Carey Mulligan (Uma Educação), que interpreta Daisy Buchanan, que, segundo DiCaprio, “é, à primeira vista, a derradeira mulher do sonho americano”, mas acrescenta ainda que quando chega o momento decisivo ela fica com o homem com quem deve estar, segundo as normas da sociedade.

 Nesta longa metragem, que vai ser exibida em 3D, vamos poder ver figurantes com vestidos dos anos 20, grandes cenários que nos fazem lembrar das inesquecíveis melodias de Gershwin, mas a banda-sonora deste “Grande Gatsby” não se pauta pelas composições de Gershwin, mas sim de batidas electrónicas como LMFAO. Na banda-sonora estão também confirmados nomes como Beyoncé, Lana Del Rey, Jay-Z ou Florence and the Machine.

É em aspectos como a banda-sonora que verificamos a exuberância e o risco que Baz Luhrmann gosta de correr. O realizador diz que “Fitzgerald usou música contemporânea nos seus livros”, refere. “Assim também usamos esse elemento.”

DiCaprio caracteriza o realizador como “um cineasta muito corajoso, que sonha alto e é muito ambicioso”.

 Tal como o êxito do realizador,Moulin Rouge!, este filme inaugurou a edição deste ano do Festival de Cannes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *