Literatura,  Secções

Desenhador de Palavras

“Se voltar, o que será preciso dizer aos homens?”
Antoine de Saint-Exupéry

Em 2004, a poucos quilómetros da costa de Marselha foram encontrados os destroços do avião em que Antoine de Saint-Exupéry levantou voo, no dia 31 de Julho de 1944, ao serviço do exército de libertação durante a Segunda Guerra Mundial. Já o seu corpo permanece envolto num mistério, pois, tal como o de D. Sebastião, nunca apareceu.

Borgo, na Córsega, que foi o ponto de partida para um voo sem retorno, é o lugar onde lhe são atribuídas as últimas palavras: “Se voltar, o que será preciso dizer aos Homens?”. Muitas foram as raposas que ficaram por cativar, muitas rosas por regar, muitos elefantes dentro de jibóias por explicar… O escritor francês parecia consciente do perigo decorrente desta viagem. Tinha sido inclusive proibido de a fazer, tendo em conta o seu debilitado estado de saúde, provocado por um acidente aéreo em 1938, que obrigou Saint-Exupéry a permanecer vários meses em Nova Iorque.

O piloto aproveitou este interregno na aviação para se dedicar à escrita. No ano em que começa o segundo conflito mundial publica Terre des Hommes (Terra dos Homens), galardoado pela Academia Francesa para Romance e pelo National Book Award.

Durante a guerra publicou ainda Pilote de Guerre (Piloto de guerra), Lettre à un Otage (Carta a um refém) e aquela que é considerada a sua obra-prima: Le petit Prince (O principezinho). Publicado um ano antes da sua morte, o livro é considerado um dos grandes clássicos da literatura mundial e está traduzido em mais de uma centena de línguas.

A sua primeira publicação trata-se de um conto – L’Aviateur (O Aviador) -, em 1926, que foi seguida pelo livro Courrier Sud (Correio do Sul), em 1929. Em 1931, recebe o prémio Femina pelo romance Vol de Nuit (Voo Nocturno), que é considerado por muitos uma autobiografia.

A obra deste escritor e ilustrador é essencialmente marcada por elementos relacionados com o mundo bélico ou da aviação, traduzindo a sua experiência de vida como piloto nas companhias aéreas Latécoère e Air France.

O autor de O Principezinho descobriu a sua vocação como piloto em 1921, aquando do cumprimento do serviço militar em Estrasburgo, depois de uma breve passagem pelas Belas Artes.

Antoine Jean-Baptiste Marie Roger Foscolombe, o terceiro filho do conde Jean Saint-Exupéry e da condessa Marie Foscolombe, nasceu no dia 29 de Junho de 1900, na cidade de Lyon.

Não nos deixou uma longa obra, mas, sem dúvida, marcou sucessivas gerações, fazendo jus a uma das suas frases emblemáticas: “Aqueles que passam por nós não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *