• Desporto

    A sorte favorece os audazes

    Chegada a altura de partir para a Argentina, as expetativas estavam altas para o piloto da casa, Gabriel Rodrigo. O jovem piloto de Moto3 foi operado a uma lesão na clavícula há poucas semanas, mas conseguiu regressar a tempo do início da época. No Qatar, o piloto da Kommerling Gresini Moto3 conseguiu, surpreendentemente, pontuar, ainda que tenha sido submetido a uma cirurgia poucos dias antes. Para além do piloto argentino, estavam alguns nomes em cima da mesa para a vitória na corrida. Uns mais óbvios do que outros. Pelo facto de sair na pole position, Jaume Masiá (Bester Capital Dubai) foi tomado como possível vencedor. Teve um fim-de-semana relativamente bom…

  • 7ª Arte

    Monstra: “os desenhos animados não são só para crianças”

    A “Monstra” está de volta. De 16 a 26 de março, o Cinema São Jorge, o Cinema City Alvalade, o Cinema Ideal e a Cinemateca Portuguesa recebem sessões de cinema, exposições, palestras, e workshops sobre o universo da animação. A 16ª edição do festival português homenageia a Itália. Durante o segundo dia do festival, a ESCS MAGAZINE foi até ao Cinema São Jorge conversar com a produtora executiva, Raquel Bravo. Para quem não conhece a “Monstra”. Em que é que consiste este festival? É o festival de animação de Lisboa. Basicamente existe há 16 anos. Este ano apresenta uma programação aprofundada sobre o nosso país convidado – a Itália. Fazemos…

  • Artes Visuais e Performativas

    Do rio para o tribunal. Quem meteu água?

    Diz-se que os processos nos tribunais portugueses são verdadeiros pesadelos kafkianos. Se assim o é, o caso das Fadas de Cottingley não se lhes fica atrás. A história das duas primas que fotografaram fadas começou em 1917, mas cem anos depois, em 2017, o julgamento continua no teatro A Barraca. O “Processo: Fadas/Cottingley – 1917” coloca em confronto vários documentos, testemunhos e planos narrativos acerca de “um dos grandes embustes do século XX”, como o carateriza Rita Lello, encenadora e argumentista do espetáculo. No entanto, o foco principal desta peça infantil, que não é apenas dirigida a crianças, é a discussão que nasce a partir do episódio narrado. O público…

  • 7ª Arte,  Secções,  Sem Categoria

    LEFFEST: 11. 11. 11.

    Ao 11.º dia do 11.º mês, o Lisbon & Estoril Film Festival (LEFFEST) relembra o grande vencedor do Prémio Melhor Filme Jaeger-LeCoultre da edição passada. “11 minut” (11 minutos), o mais recente filme de Jerzy Skolimowski, encerrou a noite no Cinema Medeia Monumental, em Lisboa. “11 Minut” conta histórias. Não uma. Várias. Todas sobrepostas com cortes narrativos abruptos. A ação constrói-se a um ritmo frenético. Há um marido. Há uma atriz. Há um realizador. Há um drogado. Há um vendedor de cachorros. Há uma rapariga que passeia um cão. Há freiras. Há bombeiros. Há uma dose de banalidade tratada com genialidade. Não interessa quantos minutos se estica o tempo (onze…

  • Artes Visuais e Performativas,  Secções

    Nem a morte os separa

    Fernando Pessoa morreu e esqueceu-se de levar consigo Ricardo Reis. Pouco depois da morte do mestre modernista, um rapaz de 17 anos conheceu um médico poeta na biblioteca da escola industrial. O tempo também levou este rapaz. No entanto, o tempo trouxe-os a todos de volta. O encontro acontece no palco do teatro A Barraca de quinta a domingo. Baseado no livro que José Saramago publicou não aos 17 mas aos 62 anos, 1936: O Ano da Morte de Ricardo Reis é um espetáculo sobre o último ano de vida de um dos mais conhecidos heterónimos pessoanos. A peça conta os principais acontecimentos históricos nacionais e internacionais do ano de…

  • Capital

    SALVAS POR FOTOGRAFIAS

    Uma rede de tráfico de crianças no Senegal e na Guiné-Bissau está a ser desmantelada por causa do trabalho de um fotojornalista português. As provas do crime recolhidas por Mário Cruz estão agora publicadas no seu livro “Talibes – Modern Day Slaves” (“Talibés – Escravos dos Tempos Modernos”). Mais de cinquenta mil crianças mendigam, todos os dias, nas ruas do Senegal e da Guiné-Bissau. Famílias desfavorecidas vendem os filhos a falsas escolas corânicas, que escravizam e torturam crianças entre os 5 e os 15 anos. Muitas destas crianças não sabem quem são, onde nasceram ou quem são os seus pais, e, muitas vezes, tornam-se nos futuros agressores. Esta realidade foi,…

  • Made In ESCS,  Secções

    Fixa 12. 12 anos no ar.

    [cycloneslider id=”e2″] Aos 12 anos o E2 renova a equipa, mas apenas por um dia. Os convites para a festa foram distribuídos e o programa de televisão da Escola Superior de Comunicação Social (ESCS) recebeu novos apresentadores, fotógrafos, câmaras, realizadores e técnicos de luz. O E2 apagou as velas no dia 27 de maio, mas os festejos aconteceram três dias depois. “Silêncio na Régie. A gravar. Fade In. Fixa 1. Camara 1 no ar”. Odete Frazão e Rui Santos são aprendizes de realização. Em estúdio estão três câmaras e Catarina Seixas vai dando uns retoques nos enquadramentos. A preparar-se para fazer apresentação está Célia Perry. Fora do estúdio 2, Carolina…

  • Literatura,  Secções

    Quem tem unhas é que escreve

    Desenhador de palavras sobre Alves Redol Longas jornas de trabalho debaixo do sol quente, trabalhadores agrícolas famintos, desorganizados e explorados. Uma luta entre mentalidades desiguais. Pobreza material mas também de espírito. Estas são as linhas principais do romance “Gaibéus”, de Alves Redol. O escritor neo-realista dotado de um espírito jornalístico chegou mesmo a viver junto de quem trabalhava nos arrozais das Lezírias, nos campos ribatejanos, aproveitando para preencher blocos de notas sobre o quotidiano dos trabalhadores. “À memória de Venâncio Alves e João Redol, ao ferreiro e ao campino” pode ler-se nas primeiras páginas de “Gaibéus”, publicado em 1939. O primeiro livro do escritor foi um marco na história da…

  • Literatura,  Secções

    Chamem o CPR. A escrita parou de respirar.

    Já tentaste mesmo tudo? “Sim”. Colocaste as palavras deitadas de costas sobre uma superfície dura? “Sim”. Sobrepuseste as mãos na metade inferior do externo do abecedário? “Sim”. Esticaste bem os braços e pressionaste as letras? “Sim”. De certeza que comprimiste as metáforas contra os paradoxos? “Sim”. Comprimiste e descomprimiste? “Sim”. Concluíste cinco ciclos de 30 compressões seguidas de duas respirações? “Sim”. A situação é crítica, mas não desistas. Chama o CPR. Eles têm 26 casos de sucesso de reanimação da escrita. O CPR – Grupo de Reanimação da Escrita foi criado em outubro de 2015 e desde esta data que tem como objetivo lançar desafios criativos aos seus membros, incentivando-os…

  • Literatura,  Secções

    Dulcineia ou Natália, eis a questão

    Entrevista a Natália Constâncio Por Ana Rita Nunes Embora seja doutorada, ainda não saiu da escola. O dia-a-dia é passado a contar os grandes feitos dos portugueses e a amizade de um rapaz com uma menina que vive no mar. Tem vários livros publicados, como “A Súplica de D. Pedro” ou o conto infantil “Inês, a Fada-Boneca – O roubo das Letras e das Cores do Arco-Íris”. Como acredita na magia, tem a capacidade de viver duas vidas: a de uma professora que também faz trabalho de investigação e a de uma escritora com o nome da amada de D. Quixote. Quem é a Dulcineia? A Dulcineia surge com a…