DUAS RODAS, UM GUIADOR E UM PÉ DE BALANÇO: SÃO AS NOVAS TROTINETES ELÉTRICAS

LDesde os primeiros dias de outubro que as trotinetes elétricas andam na capital. Lisboa adere à tecnologia e a sociedade move-se sobre rodas. As trotinetes da LIME e da WIND já circulam nas ciclovias.

Imagem 1 Trotinetes elétricas LimeC

Depois das bicicletas, dos carros e dos motociclos, chegou a vez das trotinetes partilhadas. Uma das empresas impulsionadoras deste novo sistema é a LIME. A empresa americana está um pouco por todo o mundo: desde cidades nos Estados Unidos, até cidades europeias, como Paris e Zurique.

A Portugal apenas chegaram as trotinetes elétricas, mas o primeiro lançamento da empresa foram as bicicletas partilhadas. Em Lisboa, há cerca de 200 a 400 trotinetes elétricas espalhadas e objetivo é expandir: “Vamos começar a negociar com Porto, Braga, Aveiro, Coimbra, entre outras”, refere o CEO da LIME para Portugal, Marco Pau.

Imagem 2 Trotinetes elétricas Lime

A WIND também vai circular por Lisboa. É mais uma plataforma de trotinetes elétricas, mas que opera num perímetro mais restrito. Andam apenas desde o Centro de Lisboa, até à Avenida de Berna e de Belém até Santa Apolónia.

Foge-se ao trânsito e chega-se mais depressa a qualquer lado. Desde qualquer sítio de Lisboa, como o Marquês de Pombal até à Baixa de Lisboa, os utilizadores podem ir numa das novas trotinetes. É pegar e levar. As trotinetes elétricas refletem a mudança dos padrões de mobilidade urbana e a aposta em veículos mais ecológicos e baratos.

O processo para andar numa LIME-S ou numa trotinete WIND é muito simples: instalar a aplicação no telemóvel; criar uma conta e selecionar o meio de pagamento; encontrar uma trotinete estacionada na rua; desbloquear a trotinete através de um código QR da app; fazer a viagem; deixar a trotinete em qualquer local da cidade, exceto no centro histórico – a chamada “zona vermelha”.

Imagem 3 Código QR Lime

No caso da LIME é necessário no final tirar uma fotografia à trotinete para evitar que sejam deixadas em locais que obstruam a circulação de peões. Durante a viagem é obrigatório usar os capacetes grátis disponibilizados pela LIME e cumprir todas as regras de utilização e trânsito.

Imagem 4 Apps para adquirir uma trotinete Lime

Na app WIND há promoções. Por cada amigo que usar uma trotinete elétrica pela primeira vez, o utilizador ganha passeios grátis. Existe ainda a “trotinete da sorte” que quando usada dá pontos na app.

Quanto ao preço, é igual em ambas as plataformas. O desbloqueio da trotinete tem o custo de 1 euro e por cada minuto de uso são cobrados 15 cêntimos.

Rafael Duarte, de 21 anos, é estudante de Engenharia Informática e Multimédia no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa e já pedalou numa trotinete elétrica: “foi fácil de usar e as aplicações são super simples.”

Rafael e alguns amigos apanharam a trotinete elétrica, em Santos. “A minha só teve vantagens e atingiu uma velocidade de 27km/h máximo.” Já os amigos de Rafael não tiveram tanta sorte. Notaram alguns problemas na velocidade e as bicicletas já não tinham muita bateria.

O estudante considera que foi uma experiência positiva. “Adquirir é super simples e podemos deixá-las em praticamente todos os locais de Lisboa.”

Quem está por detrás do projeto pioneiro – LIME – em Portugal? Entre launchers, gerentes de operação e mecânicos, há na equipa cerca de 35 pessoas que trabalham na LIME. Além destes, também os próprios cidadãos podem participar e receber dinheiro através do “Projeto Juicer”. Os participantes têm de levar as scooters para sua casa depois das 21 horas para serem carregadas ao longo da noite e na manhã seguinte voltam a colocá-las nos hotspots, ou seja, nos pontos de recolha. h

Imagem 5 Trotinetes Elétricas em Entre Campos

No reverso da medalha está o caos que as trotinetes já instalaram na capital. O facto de poder ser largada em qualquer lugar tem gerado problemas. Apesar da medida instalada pela empresa em que os utilizadores da LIME têm de fotografar a trotinete no local onde a deixaram, estas já foram encontradas no passeio ou no meio da estrada. Além disso, por vezes os utilizadores passam muito próximo de peões e obstruem a passagem das pessoas e acesso de carros a garagens.

Já estão a ser tomadas medidas para combater o constrangimento das trotinetes nas ruas da capital. Em parte, a solução passa também pelo cumprimento das regras de utilização por parte dos utilizadores.

Quer para ir para a escola, para o trabalho e ou ainda apenas para passear, as trotinetes elétricas vão continuar a circular nas ciclovias e a reduzir o trânsito de uma forma mais sustentável.

Artigos recentes

Deve o humor ter limites?

Assistimos hoje ao contrassenso conflituoso entre a liberdade de expressão e a hegemonia do politicamente correto. Se, por um lado, somos ativistas do “sê quem

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *