E se Lisboa fosse uma paleta de cores?

Lisboa: uma cidade, várias cores e quase dez milhões de turistas por ano.

Quem vem repara! Lisboa é famosa por muitas razões e as suas cores são uma delas. Pergunte a qualquer um: os tons amarelos ou azuis não passam ao lado. São o foco de muitas fotografias, quer de turistas, quer dos lisboetas que gostam de ser “instagrammers”.

Realizámos um estudo no mês de outubro para perceber que cores é que se destacam. Eis os tópicos:

– Idade;

– Sexo;

– Se Lisboa fosse uma cor, qual seria?

– Porquê?

– Local a visitar na cidade;

– Conhece algum sítio onde exista arte urbana? Onde?

Este estudo contou com a participação de 14 pessoas, das quais 86,7% tinham entre 18 e 25 anos (sendo as restantes menores de idade). Em termos de sexo, 66,7% eram do feminino e 33, 3% do masculino.

Após a análise do estudo, concluímos que as cores mais escolhidas foram o amarelo, o azul, o cores rosa e o verde.

Fonte: Joana Melo

Fonte: Joana Melo

O amarelo foi associado aos autocarros e elétricos da marca Carris. Esta já opera em Lisboa há 147 anos e desde 1901 que os seus transportes são uma marca presente nas ruas. É impossível deambular pela cidade sem os ver.

Por outro lado, o azul foi visto como a cor da esperança que Lisboa traz àqueles que vêm à procura de uma vida melhor. Foi o azul do Tejo que nos permitiu partir para os descobrimentos, do mar que no passado conquistámos e dos azulejos que por cá ficam para contar a história. É o azul de um passado com impacto no futuro.

O cor de rosa à primeira vista pode não fazer sentido, mas, se pensarmos bem e descermos pela cidade, apercebemo-nos do porquê desta escolha.

Uma das ruas favoritas da Europa é a “Rua Cor de Rosa”. No passado rua de marinheiros e prostitutas, agora eleita pelo New York Times como uma das 12 favoritas da Europa. É uma rua fechada ao trânsito onde a vida boémia dos jovens nos é apresentada. Com espaço para todos os gostos, é uma experiência nocturna a não perder.

De manhã é apenas mais uma rua com um chão diferente, de noite é uma das mais movimentadas da cidade. Para quem gosta de fotografias é um sítio diferente; para quem gosta de passear pode encontrar por aqui música ao vivo; para quem gosta de beber, eis o sítio para fazê-lo.

Por fim, temos a cor verde. Cor da natureza envolvente. Representa desde os Jardins da Torre de Belém ao Jardim Botânico (3€ a entrada). Locais onde pode desfrutar daquilo que o rodeia sem se preocupar com confusão. Ideal para quem procura descansar. Levar a máquina fotográfica é sempre uma boa ideia, pois é capaz de conseguir captar bons momentos.


Fonte: Joana Melo

Houve também quem chegasse a mencionar o cinzento como uma cor representativa de Lisboa. O porquê atribui-se aos edifícios que fazem parte da arquitetura de ferro e de vidro, e daqueles que já se encontram abandonados.

Após a seleção das cinco cores decidimos recolher locais onde pudéssemos apreciá-las na arte e, eventualmente, beber um café enquanto o fazemos. Assim, propomos a visita aos seguintes locais: Lx Factory, Alcântara, Cais do Sodré, Parque das Nações, Belém e Olaias.

O Vasco, um dos entrevistados, referiu o seguinte em relação à arte que dá vida às ruas:

“Alcântara tem bastante, principalmente no Lx Factory, pois existe o incentivo à existência da mesma. A caminho do Cais do Sodré existe também bastante ao longo da avenida 24 de julho. Também para os lados de Santa Apolónia, em Marvila. Se autocolantes forem considerados arte urbana, qualquer sinalização de trânsito com os mesmos e com uma boa visibilidade em Lisboa rapidamente se torna um bom ponto de referência.”

Artigo Revisto por: Ângela Cardoso

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *