Atualidade, Informação

Festivais Rock in Rio e NOS Primavera Sound adiados para 2022

Devido à incerteza causada pela pandemia, os festivais de verão NOS Primavera Sound e Rock In Rio anunciaram o seu adiamento para 2022. 

NOS Primavera Sound 

O NOS Primavera Sound é o primeiro grande festival de verão português a anunciar o seu adiamento para 2022. O festival que se iria realizar no próximo mês de junho, no Porto, anunciou esta terça-feira as suas novas datas – “É com muita tristeza que comunicamos que, por motivos de força maior, a próxima edição do Festival Primavera Sound terá lugar entre 9 e 12 de junho de 2022” – referiu a organizadora Pic-Nic, num comunicado que publicou nas suas redes sociais.

O anúncio do adiamento foi feito minutos depois de o Primavera Sound Barcelona ter anunciado nas redes sociais que também só voltará em 2022, sem, contudo, agendar uma nova data para aquela que seria a sua edição de 20.º aniversário. Segundo a organização do festival, esta decisão deve-se “às incertezas que neste momento rodeiam os grandes espetáculos” e que impossibilitam “trabalhar com normalidade na preparação do festival”. 

No que diz respeito aos bilhetes já adquiridos para as edições de 2020 e 2021, os mesmos continuam válidos para a próxima edição, no entanto, pode ser pedida a devolução do seu valor a partir de 1 de janeiro de 2022.

O cartaz da edição de 2021 incluía Tame Impala, Pavement, Gorillaz e Tyler the Creator, sendo que o novo alinhamento será anunciado até 5 de junho.

Fonte: Global Imagens

Rock In Rio 

O Rock In Rio Lisboa é o segundo grande festival a anunciar o seu adiamento para 2022. A organização do festival divulgou esta terça-feira as suas novas datas, que serão entre 19 e 27 de junho do próximo ano.

“Ao longo destes últimos 11 meses, estudámos vários cenários e discutimos em grupos de trabalho, com as autoridades competentes, diferentes medidas que permitissem concretizar o festival. (No entanto) chegada a data-limite para iniciarmos as montagens da Cidade do Rock, encontramo-nos ainda (…) em estado de emergência e sem garantias de que, em junho, estejam reunidas as condições para concretizar o modelo original do festival” – adianta o comunicado assinado pela vice-presidente do Rock in Rio, Roberta Medina.

Esta é a segunda vez que a 9ª edição do Rock In Rio Lisboa é adiada, tendo sido adiada pela  primeira vez em abril do ano passado para os dias 19, 20, 26 e 27 de junho deste ano, após o decreto do primeiro estado de emergência de resposta à Covid-19.

“O Rock in Rio mobiliza pessoas dentro e fora da Cidade do Rock. Recebemos turistas de absolutamente todos os Estados brasileiros, além do Distrito Federal, e também de mais de 70 países. São 28 mil pessoas que trabalham para levar festa e alegria para as 700 mil pessoas que nos visitam. Vamos preservar vidas neste momento. Em setembro de 2022 estaremos juntos de novo e prontos para o melhor Rock in Rio de todos os tempos, quando vamos celebrar a paz e a vida” – afirmou Roberto Medina.

Fonte: Lusa

Apesar de estes dois festivais não verem reunidas as condições necessárias para a sua organização, os restantes festivais de verão portugueses não parecem apresentar o mesmo diagnóstico. 

Luís Montez cuja promotora, a Música no Coração, organiza os festivais Super Bock Super Rock (15 a 17 de julho), Sumol Summer Fest (2 e 3 de julho) e MEO Sudoeste (3 a 7 de agosto), mostra-se “cada vez mais confiante” com os dados diários que atestam a redução dos casos de infeção por Covid-19. Também Álvaro Covões, da promotora Everything is New, que promove o NOS Alive (7 a 10 de julho), e João Carvalho, que, com a promotora Ritmos, organiza o festival Vodafone Paredes de Coura (marcado para os dias 18, 19, 20 e 21 de agosto), demonstram confiança na realização dos festivais. 

Segundo Álvaro Covões, o trabalho que está a ser realizado de modo a garantir no mínimo “soluções intermédias” perante um setor que corre o risco de continuar numa quebra de 100% por mais alguns meses é de extrema importância. 

Artigo revisto por Constança Lopes