Desporto

Forest Green Rovers – o 1º clube de futebol vegan

O futebol e a ecologia não costumam ser conceitos que andam de mãos dadas, no entanto, por vezes, podem dar origem a resultados bastante interessantes.

Um clube de futebol totalmente vegan? Parece estranho, mas neste artigo vou falar de um clube de futebol inglês que se tornou o primeiro clube de futebol 100% vegan.

O Forest Green Rovers Football Club é um clube de futebol com base na pequena cidade de Nailsworth, Gloucestershire, na Inglaterra. Esta cidade tem cerca de aproximadamente 6.000 habitantes e detém a honra de ser a cidade mais pequena, em termos de população, a ter um clube de futebol nas ligas profissionais inglesas.

O clube atravessa um dos melhores períodos da sua história. Formado em 1889, nunca tinha chegado acima da 5.ª divisão inglesa, tendo passado grande parte da sua história nas divisões regionais amadoras.

Em 2018, chegaram pela primeira vez às divisões profissionais, ou seja, pelo menos à 4.ª divisão inglesa. Em 2022, foram promovidos, para a League One (3.ª divisão inglesa) pela primeira vez na história. No entanto, atualmente estão a passar por um momento mais negativo, pois em 2023 e 2024, foram relegados duas vezes consecutivas, estando na próxima época na 5.ª divisão inglesa.

Fonte: Association for Project Management

O Forest Green Rovers é um clube conhecido pelas suas práticas ecológicas e amigas do ambiente. O seu dono é Dale Vince, empreendedor e dono da empresa Ecotricity, que se responsabiliza em negociar energia verde, nomeadamente gerada na sua central fotovoltaica. O objetivo da empresa é reinvestir o seu lucro, construindo mais fontes de energia renovável.

Com Dale Vince, o clube, em 2015, tornou-se o primeiro clube de futebol vegan, após receber um registo de marca da The Vegan Society, a comprovar isto mesmo. Como tal, algumas das práticas que sustentam este registo são a instalação de painéis solares no telhado; a colheita de água da chuva e a sua reciclagem para a irrigação do relvado; o corte do relvado com um cortador de relva robótico carregado a energia solar; a existência de pontos de carregamento para carros elétricos;o uso do óleo alimentar desperdiçado para reciclagem e para biocombustível;a promoção de estilos de vida sustentáveis na comunidade local e a venda de comida exclusivamente vegan no bar e restaurante do clube, para os adeptos em dia de jogo e para os jogadores.

Fonte: Site oficial do Forest Green Rovers

Estas práticas levaram o clube a ser conhecido a nível mundial, tendo vários fãs por todo o mundo, que partilham uma paixão pelo futebol e pelo ambiente. Com este crescimento, o plano futuro do clube é construir um novo estádio com capacidade para 5.000 lugares, com potencial para uma expansão até 10.000, feito 100% de madeira, um material renovável e que absorve carbono com o seu crescimento, permitindo reduzir o custo de construção. Além disso, o clube tem a ambição de criar um parque comercial sustentável para a criação de 4.000 postos de trabalho numa área da cidade planeada para restauração.

Com todas estas práticas, é seguro dizer que, de facto, o futebol e o ambiente podem andar de mãos dadas.

Fonte da capa: Sky Sports

Artigo revisto por Beatriz Mendonça

AUTORIA

O Cláudio tem 23 anos e está no primeiro ano da licenciatura de Publicidade e Marketing em horário pós-laboral. A ESCS Magazine despertou-lhe a atenção, sabendo que poderia escrever sobre alguns dos seus maiores gostos. Um deles é o desporto, sendo que ele já treinou equipas de futebol de escalão, e deseja agora ter uma perspetiva diferente, estando atrás do campo de futebol, e escrever, talvez no futuro, para jornais desportivos. Para além do futebol, gosta de basquetebol e futebol americano, e acredita ser uma desafio, mas que lhe pode abrir muitas portas no futuro.